terça-feira, 3 de janeiro de 2006

Minha Estrela

Ninguém poderá entender esse amor
Que vive da chama de duas almas perdidas
Envolvidas num intenso calor
De dois corações, seus caminhos, suas partidas

Ninguém poderá apagar essa chama
Dessas duas almas gêmeas, enfraquecidas
Da árdua exaustão do amor que clama
De desejos infinitos, pela paixão esquecidas

Queria eu poder achar a estrela minha
Muitas vezes por mim já perdida
Talvez seja você, quem em minha direção caminha
Talvez a mais bela, porém escondida

Queria eu poder alcançar o céu
Alcançar a estrela mais perfeita que Deus fizera
E assim, jogaríamos a tristeza ao léu
Não é fato, mas que quimera!

E eu sei que esse amor existe
Assim como é meu, é teu
Porque minha alma ainda persiste
Nesse sonho que não se perdeu.

Nenhum comentário: