sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Coisas de Gaveta

 gaveta2

Fotos tremidas,
Poemas sem rima.
Papéis amassados.
Amores não ditos.
Rabiscos mal feitos.
Páginas de livros.
Rascunhos Rasgados.
Projetos falidos.
Postal desbotado.
Letra de música.
Envelope lacrado.
Contas por pagar.
Carta não lida.
Lágrimas secas.
Sentimentos fechados.
Gaveta trancada.
Chave esquecida
Ou para não dizer Perdida...

Ps.: Ia justamente escrever algo sobre como é frustrante fazer planos, mesmo você tendo certeza que muitas vezes eles não funcionarão! Mas então você acredita (isso é ter fé?) e segue em frente, contra tudo e contra todos. E no final eles voltam para o lugar de onde nunca deveriam ter saído. Pois então, ia justamente escrever sobre isso e ao buscar uma imagem para ilustrar, achei esse poema aí em cima. Não consegui descobrir o autor! Só a chave que não está perdida. Eu mesmo vou jogá-la fora!

terça-feira, 18 de dezembro de 2012

Desencanto

Eu faço versos como quem chora
De desalento... de desencanto...
Fecha o meu livro, se por agora
Não tens motivo nenhum de pranto.
Meu verso é sangue. Volúpia ardente...
Tristeza esparsa... remorso vão...
Dói-me nas veias. Amargo e quente,
Cai, gota a gota, do coração.
E nestes versos de angústia rouca
Assim dos lábios a vida corre,
Deixando um acre sabor na boca.
- Eu faço versos como quem morre.
(Manuel Bandeira)


Não tenho nada melhor para postar do que esse singelo e simples poema de Manoel Bandeira. Acredito que ele reflete o meu estado de espírito para estes, mais uma vez, tempos difíceis e conturbados.

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Relevar é ter paciência?


Hoje pela manhã ao despertar para mais um dia de labuta, coloquei-me a divagar ainda na cama sobre alguns acontecimentos recentes. E então, ao som de Let it Be – mais que proposital - ponho-me a pensar: será mesmo que vale a pena ficar se lamentando ou se martirizando ou seja lá que sentimento é esse que estou tendo por certas coisas? Eu achei que isso era passado na minha vida e não me importava mais, mesmo porque não tenho mais idade para brincar de novela e ficar com esses sentimentos e cheio de dúvidas se é ou se não é. Por outro lado, se estou aqui escrevendo isso, é porque de alguma forma me incomoda. Não, não posso citar nomes e nem eventos – chama o jurídico! – mas posso adiantar que em outras circunstâncias eu teria chutado, mais uma vez, o pau da barraca! De forma alguma admitiria tal comportamento. Mas dessa vez não. Dessa vez eu simplesmente relevei e fingi que acreditei na estória - com “e” mesmo. Mesmo porque a situação naquele momento era um pouco complicada. Se fosse agora, num momento mais racional, eu teria dito com todo o meu sarcasmo: “Vamos fazer o seguinte: você finje que foi isso mesmo que aconteceu e eu finjo que acreditei no que me contou. Então fica tudo certo!” Mas naquele momento eu apenas sorri e deixei que ficasse como ficou. Mas então isso fica me martelando, me incomodando. Ponho-me a trabalhar e jogo 100% da minha concentração no que estou fazendo. E  entre um ponto e outro esse misto de dúvida, de raiva e de não sei mais o quê volta. E ponho-me a pensar se realmente vale a pena ir, se não seria melhor dar meia-volta e pegar outro caminho ou simplesmente voltar para onde estava. Sinceramente, não gostaria de ter essas dúvidas. Gostaria de saber o que fazer e ter certeza de que esse caminho é o certo mesmo. Mas as dúvidas são traiçoeiras e fico me indagando o que fazer. Relevar, como eu fiz? Segui o conselho de Paul, “deixando estar”? Ligar o foda-se? Ou, como disse um amigo certa vez, jogar o mesmo jogo, mantendo as mesmas regras? Gostaria muito de ter respostas, mas sei que não as terei, pelo menos por enquanto. Meu medo é tê-las tarde demais, quando já não puder fazer mais nada. Mas enquanto não tenho, o melhor a fazer é ter um pouco de paciência.

terça-feira, 24 de julho de 2012

A Lição do Travesseiro de Penas


Certo homem andou espalhando fofocas a respeito de uma boa família da cidade, simplesmente porque a filha deles rompeu um antigo namoro por não gostar mais dele. As fofocas se espalharam de tal maneira que em pouco tempo não só todas as pessoas da cidade estavam sabendo da má fama da moça, como também as moças do lugar foram proibidas de conversar com ela.
Dois anos se passaram, o rapaz se apaixonou por outra moça e se casou. Porém sua antiga namorada ainda levava a injusta má fama que ele havia espalhado. Ao ver a vida triste e sem amigos que ela levava, e que nunca mais tinha namorado outra pessoa, por ter ficado mal afamada, sua consciência pesou-lhe e não podia nem dormir direito. Estava profundamente arrependido do que havia feito e por isso decidiu confessar-se com o padre da aldeia.
Após confessar-se pediu ao padre que lhe desse uma ideia de como desfazer o mal que havia causado. O padre mandou que buscasse em casa um travesseiro de penas e voltasse para a igreja imediatamente. Curioso, o rapaz obedeceu. Ao voltar, o padre mandou que ele subisse até a torre mais alta da igreja, rasgasse o travesseiro e contasse cada uma das penas. Ele cumpriu todos os detalhes com muita dificuldade, pois era um dia de muito vento. Estava ainda no alto da torre quando gritou para o padre que havia acabado a façanha de contar todas as penas em meio àquela ventania, então ouviu o padre que lá de baixo gritava para ele: "Pois bem, então agora abra o travesseiro novamente e espalhe ao vento todas as penas, sem deixar nenhuma no travesseiro!".
Sem entender muito bem o que o padre queria ensinar-lhe, e pensando que talvez fosse um tipo de "penitência estranha" obedeceu mais uma vez ao padre. Voltou cansado e apresentou-se ao com um tremendo ar de dever cumprido.
Surpreso, ouviu o padre dizer: Pois agora e que vai começar sua penitência! Saia pela cidade e coloque de volta no travesseiro todas as penas que você jogou, sem deixar nenhuma para fora. Só quando tiver conseguido fazer isto é que a má influência do que você fez terá passado.
- * -
Eu ouvi essa lição em um filme que assistir há muito tempo atrás, quando vivia dias conturbados. Na época eu não liguei muito, apenas achei interessante a forma como tudo foi exposto. Protegido por meu muro, eu estava a salvo no meu mundo e, de forma alguma palavras me atingiam, sejam elas proferidas por quem quer que fosse. Porém, bastou algumas saídas necessárias para que eu pudesse, mais uma vez, vivenciar isso. Sim, eu sei que outras pessoas estão envolvidas em tudo que eu sou e que minhas ações, sejam elas quais forem, influenciam a vida de outras pessoas. E também sei que sou influenciado por outras pessoas, pelos seus atos, mas sinceramente não entendo porque falam tanto assim. Eu procuro levar minha vida da melhor forma possível, sem prejudicar ou fazer mal a ninguém. É certo que isso é muito difícil, pois como eu disse, somos influenciados e influenciamos as pessoas que nos cercam e que nos conhecem.
A lição que fica é bem simples:
“Se você não tem nada de bom para dizer a respeito de alguém, não diga nada. Fique em silêncio!”

segunda-feira, 25 de junho de 2012

Pouco se Fudendo



Esse fim de semana que passou notei certos acontecimentos que me remeteram a uma triste constatação acerca de pessoas, natureza humana, sentimentos e relacionamentos. Antes de comentar o que vi e ouvi, posto uma frase meio que “adaptada” para esses selvagens tempos modernos. Creio que seja antiga, mas está atualizadíssima;
Nós nascemos sozinhos e nós morremos sozinhos! E tudo que acontece nesse intervalo que nos dê a ilusão de que não estamos sós, então nos agarramos, mesmo correndo inúmeros riscos!
Pois é, a grande verdade é que em se tratando de relacionamentos, sejam eles com parentes, amigos, colegas e até mesmo sexuais, todo mundo está pouco “se fudendo”! É isso mesmo. A coisa pode ficar bonita e tranquila por determinados momentos, mas basta um estalar para que tudo mude e então a verdade, fria como um iceberg, vir à tona. Iria citar três eventos ocorridos, mas creio que o segundo seja um pouco indelicado da minha parte comentar, então vou escrever sobre o primeiro e o último, visto que esse tipo de situação ocorre muito. E também imagino que, se a pessoa envolvida vinher a ler, poderá até se identificar com o fato, mas entenderá que não estou me referindo a vossa história.
Bom, estava eu tomando um delecioso café da tarde quando um casal(?) adentrou – adoro essa palavra - ao recinto. Ela é uma ex de um amigo. Acho que os dois ficaram casados por uns 8 ou 10 anos. Quando ela me viu, meio que ficou envergonhada. Pude ver isso num sorriso meio sem graça que deu ao seu novo companheiro (ou amigo, posso estar sendo maldoso). Bom, a pessoa entrou e se sentou na mesa mais afastada do balcão, onde eu comia minha refeição. Ao sair, não poderia ser indelicado e cumprimentei os dois, mesmo percebendo que ambos estavam meio que pertubados com a minha presença. Tá, como já me disseram algumas vezes, “a fila anda”… Mas assim? Tão, tão rápido? Estou dizendo isso porque os 2 (a pessoa e o seu ex, que é meu amigo) até poucos meses atrás eram um casal que causavam inveja a quem os visse. Sim, eram felizes juntos, estavam em festas, eventos, sempre sorrindo e uma vez cheguei a conversar com ele e dizer o quanto eu achava legal os dois sempre curtindo juntos. E qual não foi a minha surpresa ao vê-la com outro em pouquíssimo tempo! Como diz o ditado popular: “Não deixou nem o defunto esfriar”! Como eu disse – disse não, ouvi – a fila anda e acho certíssimo as pessoas buscarem outras que lhe completem e que gostem de ficar, mas essa busca desenfreada de pegar qualquer um ou qualquer uma é o que me faz parar para lembrar que todo mundo está pouco se fudendo. O que importa mesmo é, pra variar, sempre o prazer e o eu próprio! E o que resto que se foda!
O terceiro caso é mais ou menos parecido, só mudando o local e o tempo do término do último relacionamento. Praticamente não tem 2 ou 3 semanas que um casamento de  aproximadamente 5 anos acabou e vejo a vítma – que também dizia tanto amar e tanto querer – chorando e se consolando nos braços de outro. Tá bom, tá bom, estou exagerando um pouco em dizer chorar e se consolar. A verdade é que ela estava se divertindo muito, mais muito mesmo! Novamente eu repito, não sou contra! Posso afirmar que também condeno (um pouco!) meus dois amigos, porque depois fiquei sabendo que também já estão em outras – literalmente (e sexualmente) falando! O que comento é sobre a forma como tudo isso ocorreu e ocorre! Portanto, chego a conclusão de que, de fato, as pessoas estão pouco se fudendo! Posso está sendo muito duro em afirmar isso, mas pense comigo: se essa porra acontece com pessoas que a gente escolhe para “amar para o resto da vida”, o que dirá de amigos, colegas e até parentes?
Sim, sei que é triste, mas é a verdade e ela tem que ser dita ou escrita. Posso afirmar isso assim, com uma certeza e um conhecimento de causa muito grande, pois confesso que já vivi isso, olhando por ambos os lados! Por isso começei esse post com a frase que diz: Correr riscos… É o que todos nós passamos ao longo da vida. Às vezes acho que o melhor a fazer é simplesmente não fazer nada! Absolutamente nada. A não ser tentar se feliz!

quarta-feira, 18 de abril de 2012

Sou um garoto mal?


Sou um garoto mal e vou para o inferno! Cheguei a essa triste conclusão após terminar um chat com um contato meu em uma rede social dessas daí. O contato (na verdade não sei nem que é, mas tenho a pessoa figurando na minha lista) me questionou porque eu somente compartilho posts referente a músicas e jogos e nunca (repito) NUNCA compartilhei ou postei nada referente a Deus ou a Jesus! Eu, humildemente e respeitando suas crendices, disse que acredito muito numa força superior, mas imagino que não preciso ficar mostrando minhas preferências religiosas. E então o contato disparou: “Ué? Você não mostra suas preferências musicais e de jogos? Sei por exemplo que você torce pelo Vasco, gosta de Pink Floyd e joga muito Pro-Evolution Soccer”! Nesse momento eu parei e fiquei olhando estancado para a singela frase que brilhava no meu monitor! É, realmente ele tem razão nisso! Eu posto muita coisa sobre música, jogos, Vasco e nunca, nem sequer um simples compartilhamento de algo relacionado a religião. Por um bom tempo, eu sempre usava uma frase para dar um “fatality” nesse tipo de conversa. Em outras épocas eu teria dito secamente para o meu contato: “Eu penso que um homem sem religião é como um peixe sem bicicleta”. Pronto, era o bastante para a pessoa entender o que eu penso a respeito de religiões e acabar por ali mesmo com toda e qualquer discussão sobre esse polêmico assunto! Só que hoje eu vejo isso por um outro ângulo! Sim, continuo acreditando (e muito) em Deus e em uma força superior e bondosa. Continuo achando que temos religiões demais e amor entre nós, irmãos, de menos. O que mudou mesmo foi a minha opinião em relação às pessoas e suas crenças! Eu passei a acreditar que algumas pessoas realmente precisam das suas religiões e precisam mais que nunca mostrar isso a todo mundo. Tá, eu sei que isso não quer dizer que o passaporte para o céu está carimbado, mas existem pessoas que são tão necessitadas e carentes que precisam muito da ajuda e do apoio de outros. Só que aí entra aquela velha e conhecida blasfêmia, existente desde os tempos de Jesus: também existem pessoas (essas sem dúvida vão pro inferno mesmo) que se aproveitam dessa situação para afanar descaradamente as pobres pessoas necessitadas. Afanar tanto a fé e a esperança quanto os bens materiais. E fazem isso em nome de Deus e com uma maestria de dar inveja a qualquer empreendedor de sucesso. Mas isso é assunto para um outro post. Um outro detalhe que muito me incomoda nestes “propagadores da verdade” é a hipocrisia. Sim, a mais pura, singela e branda hipocrisia. Ela por si só acaba com qualquer argumento a favor, dando margem para a corte condenar ali mesmo, sem necessidade do juri se retirar. A pessoa vai a igreja quase que todos os dias, vive postando e compartilhando mil e uma coisas referente e na vida particular faz coisas de deixar qualquer um boquiaberto. É aquele velho chavão: nada é mais perigoso do que um bom conselho, acompanhado de um mau exemplo.
Portanto, meu caro amigo, uma coisa que não sou é hipócrita. Minha vida nunca foi, não é e jamais poderá ser usada como exemplo. Mas uma coisa é certa: minha autenticidade. Sou uma pessoa muito autêntica naquilo que acho certo ou errado. Ou eu gosto ou não gosto. Ou é sim ou é não. E como na informática, ou é 1 ou é 0! Então, eu nunca vou mesmo ficar exibindo ou divulgando minhas preferências religiosas. Não por algum receio ou outro motivo qualquer. É porque acredito que só venha ao caso esse tipo de assunto em determinados momentos. Existem situações que palavras de conforto, de amor, de paz e luz são necessárias. Então eu as digo (ou publico)! Outra coisa é que eu nunca vou questionar (ou comentar) o fato de tu não postar nada relacionado a música ou a jogos eletrônicos. E também não vou ficar te perturbando com convites para ir numa lan-house participar de uma jogatina ou mesmo ir a um show de rock. Mesmo porque se você um dia quiser ir, é só me chamar que vou te acompanhar com o maior prazer!

segunda-feira, 16 de abril de 2012

Sobre a Privacidade


Por esses dias percebi que o Yahoo meio que se conectou ao Facebook. Isso na prática que dizer que tudo que você fizer no velho portal vai ficar registrado na sua timeline no Facebook para que seus contatos saibam o que você está lendo de bom. Agora há pouco fui acessar uma conta de e-mail que tenho no Yahoo - geralmente eu acesso o portal pela sua página principal, passo os olhos pelas notícias principais e entro na minha caixa postal! Dessa vez percebi algo de diferente: a maioria das notícias tinha uma foto dos meus contatos, indicando pra mim que eles já tinham lido a matéria. Sim, isso é bem legal! Interessante saber que “Maria adora ler fofocas dos atores da novela das oito” ou que “João descobriu que strogonoff de frango fica bem melhor ser servido com vinho tinto”. Mas até que ponto vai a nossa privacidade on-line? O que pode e o que não pode ser registrado/divulgado? Estou questionando isso porque me chamou a atenção um certo contato (não, não vou citar nomes – chama o jurídico!) e os conteúdos que ele anda lendo. Antes de tudo quero dizer que não tenho absolutamente nada com a preferência sexual de ninguém e isso é algo que só diz respeito a própria pessoa. Mas continuando, vi o seguinte registro de leitura do referido:
Os Maiores Gatos do BBB 12
10 Filmes para Assistir junto do seu Namorado
Apimentando a Relação – O que fazer para deixá-lo mais louco por você
Bom, poderia dar um CTRL-C e um CTRL-V em tudo o que ele supostamente leu e então você vai chegar a uma conclusão bem óbvia sobre as preferências sexuais do contato. Só vou adiantando que no seu perfil está marcado como masculino e que tem preferência por mulheres. Mais uma vez eu digo: não tenho qualquer tipo de preconceito. Acredito veementemente que cada um deve fazer de tudo para ser feliz, desde que respeite as opções dos outros, também.
Mas aí vem o “x” da questão: até que ponto o contato queria que seu histórico de leitura fosse publicado? Será que ele sabe que isso está sendo exibido para todo mundo da sua lista? Assim como ele, eu imagino que muita gente não sabe ou então sabe e não está nem aí para isso. Esse episódio me remeteu a um passado bem remoto, quando os programas “mensageiros instantâneos” (como o Live Messenger ou o ICQ) pipocaram pelas redes. Lembro que teve uma versão do Messenger que se linkava ao WMP - Windows Media Player e exibia aos seus contatos as músicas que você estava ouvindo. O único porém é que o WMP também tocava vídeos e de vez em quando aparecia algum contato “ouvindo” músicas interessantes:
eles_fazem_elas_deixam.wmv
loira_gostosa_engolindo.mpeg
enrabada_doida.avi
Ou seja, o pobre moribundo tinha toda a sua “preferência musical” e sexual sendo exibida a todos os seus contatos. E isso ficava por um bom tempo até que algum amigo o alertasse para o fato.
Eu imagino que a grande maioria da pessoas não faz ideia de que isso esteja acontecendo e que tem empresas que estão se aproveitando muito dessa história toda. Até uma simples pesquisa na resposta para todas as nossas dúvidas fica registrada para referências futuras. O pessoal de Montain View armazena praticamente tudo que você faz dentro dos seus domínios. Se você pesquisa muito sobre Beatles por exemplo, você pode ter certeza que qualquer publicidade referente aos 4 besouros aparecerá como num passe de mágica na sua tela. E você vai se encantar com isso e pode até se questionar como que o computador sabe que você gosta de Beatles? Existem empresas que, antes de contratar um funcionário, pesquisa primeiro em redes sociais para ter uma ideia do perfil do candidato a vaga. Basta uma simples olhada no que é escrito e registrado e têm-se uma excelente ideia do tipo de pessoa.
Para minimizar um pouco essa invasão ao seus domínios, tenha atenção a todas as parcerias e conexões que os serviços on-line que você usa faz. Normalmente eles te informam antes que vão fazer isso ou aquilo. E o fazem para evitar futuros processos por parte dos seus usuários. Portanto, fique atento a tudo que é postado/registrado/publicado no seu perfil, a não ser que você tenha uma vida muito vazia e não tenha nada de interessante para que outras pessoas saibam ou então você realmente quer que todo mundo fica sabendo o que você faz!

quinta-feira, 12 de abril de 2012

10 Soluções Para Melhorar o Brasil (que funcionaram na China)



O Primeiro Ministro da China, Wen Jiabao, visitou o Brasil recentemente pela primeira vez e surpreendeu pelo conhecimento que tem sobre nosso país, segundo ele, devido o aumento da amizade e dos negócios entre Brasil e China, vem estudando nossa cultura, nosso povo, desenvolvimento e nosso governo nos últimos 5 anos e, por isso aproveitou a visita de acordos comerciais para lançar algumas sugestões que, segundo ele, foram responsáveis pelas mudanças e pelo crescimento estrondoso da China nos últimos anos.
Durante uma de suas conversas com a Presidente Dilma e seus ministros, Wen foi enfático no que ele chama de "Solução para os países emergentes", que é o caso do Brasil, China, Índia e outros países que entraram em grande fase de crescimento nos últimos anos, sendo a China a líder absoluta nessa fila. O que o ministro aponta como principal ponto para um país como o Brasil desponte a crescer fortemente??? Mudanças imediatas na administração do país, sendo a principal delas, a eliminação de fatores hipócritas, onde as leis insistem em ver o lado teórico e não o prático e real de suas consequências, sendo que, para isso o país terá que sofrer mudanças drásticas em seus pontos de vista atuais, como fez a China nos últimos 20 anos, sendo os 10 principais os que se seguem:
1) PENA DE MORTE PARA CRIMES HEDIONDOS COMPROVADOS:
Fundamento: Um governo tem que deixar de lado a hipocrisia quando toca neste assunto, um criminoso não pode ser tratado como celebridade, criminosos reincidentes já tiveram sua chance de mudar e não mudaram, portanto, não merecem tanto empenho do governo, nem a sociedade honesta e trabalhadora merece conviver com tamanha impunidade e medo, citou alguns exemplos bem claros: Maníaco do parque, Lindeberg, Suzane Richthofen, Beira Mar, Elias Maluco, etc. Eliminando os bandidos mais perigosos, os demais terão mais receio em praticarem seus crimes, isso refletirá imediatamente na segurança pública do país e na sociedade, principalmente na redução drástica com os gastos públicos em segurança. A longo prazo isso também reflete na cultura e comportamento de um povo.
2) PUNIÇÃO SEVERA PARA POLÍTICOS CORRUPTOS:
Fundamento: É estarrecedor saber que o Brasil tem o 2º maior índice de corrupção do mundo, perdendo apenas para a Nigéria, porém, comparando os dois países o Brasil está em uma situação bem pior, já que não pune nenhum político corrupto como deveria, o Brasil é o único país do mundo que não tem absolutamente nenhum político preso por corrupção, portanto, está clara a razão dessa praga (a corrupção) estar cada vez pior no país, já que nenhuma providência é tomada, na China, corrupção comprovada é punida com pena de morte ou prisão perpétua, além é óbvio, da imediata devolução aos cofres públicos dos valores roubados. O ministro chinês fez uma pequena citação que apenas nos últimos 5 anos, o Brasil já computou um desvio de verbas públicas de quase 100 bilhões de reais, o que permitiria investimentos de reflexo nacional. Ou seja, algo está errado e precisa ser mudado imediatamente.
3) QUINTUPLICAR O INVESTIMENTO EM EDUCAÇÃO:
Fundamento: Um país que quer crescer precisa produzir os melhores profissionais do mundo e isso só é possível quando o país investe no mínimo 5 vezes mais do que o Brasil tem investido hoje em educação, caso contrário, o país fica emperrado, aqueles que poderiam ser grandes profissionais, acabam perdidos no mercado de trabalho por falta da base que deveria prepara-los, com o tempo, é normal a mão de obra especializada passar a ser importada, o que vem ocorrendo a cada vez mais no Brasil, principalmente nos últimos 5 anos quando o país passou a crescer em passos mais largos.
4) REDUÇÃO DRÁSTICA DA CARGA TRIBUTÁRIA E REFORMA TRIBUTÁRIA IMEDIATA:
Fundamento: A China e outros países desenvolvidos como os EUA já comprovaram que o crescimento do país não necessita da exploração das suas indústrias e empresas em geral, bem pelo contrário, o estado precisa ser aliado e não inimigo das empresas, afinal, é do trabalho destas empresas que o país tira seu sustendo para crescer e devolver em qualidade de vida para seus cidadãos, a carga tributária do Brasil é injusta e desorganizada e enquanto não houver uma mudança drástica, as empresas não conseguirão competir com o mercado externo e o interno ficará emperrado como já é.
5) REDUÇÃO DE PELO MENOS 80% DOS SALÁRIOS DOS POLÍTICOS BRASILEIROS:
Fundamento: Os Brasil tem os políticos mais caros do mundo, isso
ocorre pela cultura da malandragem instalada após a democrácia
desorganizada que tomou posse a partir dos anos 90 e pela falta de regras no quesito salário do político. O político precisa entender que é um funcionário público como qualquer outro, com a função de empregar seu trabalho e seus conhecimentos em prol do seu país e não um "rei" como se vêem atualmente, a constituição precisa definir um teto salarial compatível com os demais funcionários públicos e a partir dai, os aumentos seguirem o salário mínimo padrão do país, na China um deputado custa menos de 10% do que um deputado brasileiro. A revolta da nação com essa balbúrdia com o dinheiro público, com o abuso de mega-salários, sem a devida correspondência em soluções para o povo, causa ainda mais prejuízos ao estado, pois um povo sentindo-se roubado pelos seus líderes políticos, perde a percepção do que é certo, justo, honesto e honrado.
6) DESBUROCRATIZAÇÃO IMEDIATA:
Fundamento: O Brasil sempre foi o país mais complexo em matéria de negociação, segundo Wen, a China é hoje o maior exportador de manufaturados do mundo, ultrapassando os EUA em 2010 e sem nenhuma dúvida, a China e os EUA consideram o Brasil, o país mais burocrata, tanto na importação, quanto exportação, além é claro, do seu mercado interno, para tudo existem dezenas de barreiras impedindo a negocição que acabam em muitas vezes barrando o desenvolvimento das empresas e refletindo diretamente no desenvolvimento do país, isso é um caso urgente para ser solucionado.
7) RECUPERAÇÃO DO APAGÃO DE INVESTIMENTOS DOS ÚLTIMOS 50 ANOS:
Fundamento: O Brasil sofreu um forte apagão de investimentos nos últimos 50 anos, isso é um fato comprovado, investimentos em
infraestrutura, educação, cultura e praticamente todas as demais áreas relacionadas ao estado, isso impediu o crescimento do país e seguirá impedindo por no mínimo mais 50 anos se o Brasil não tomar atitudes fortes hoje. O Brasil tem tudo para ser um grande líder mundial, tem território, não sofre desastres naturais severos, vive em paz com o resto do mundo, mostrou-se inteligente ao sair ileso da grande crise financeira de 2008, porém, precisa ter a coragem de superar suas adversidades políticas e aprender investir corretamente naquilo que mais necessita.
8) INVESTIR FORTEMENTE NA MUDANÇA DE CULTURA DO POVO: Fundamento: A grande massa do povo brasileiro não acredita mais no governo, nem nos seus políticos, não respeita as instituições, não acredita em suas leis, nem na sua própria cultura, acostumou-se com a desordem governamental e passou a ver como normal as notícias trágicas sobre corrupção, violência, etc, portanto, o Brasil precisa investir na cultura brasileira, iniciando pelas escolas, empresas, igrejas, instituições públicas e assim por diante, começando pela educação patriótica, afinal, um grande povo precisa amar e honrar seu grande país, senão é invevitável que à longo prazo, comecem surgir milícias armadas na busca de espaço e poder paralelo ao governo, ainda mais, sendo o Brasil um país de proporções continentais como é.
9) INVESTIR EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA IMEDIATAMENTE:
Fundamento: Proporcionalmente, o Brasil investe menos de 8% do que a China em ciência e tecnologia, isso começou a ter forte reflexo no país nos últimos 5 anos, quando o Brasil passou a crescer e aparecer no mundo como um país emergente e que vai crescer muito a partir de agora, porém, não tem engenheiria de qualidade, não tem medicina de qualidade, tecnologia de qualidade, não tem profissionais com formação de qualidade para concorrer com os países desenvolvidos que encontram-se mais de 20 anos a frente do Brasil, isso é um fato e precisa ser visto imediatamente, pois reflete diretamente no desenvolvimento de toda nação.
10) MENORIDADE PENAL E TRABALHISTA A PARTIR DE 16 ANOS (o mundo está envelhecendo...):
Fundamento: O Brasil é um dos poucos países que ainda possuem a cultura de tratar jovens de 15 a 18 anos como crianças, não
responsáveis pelos seus atos, além de proibi-las de oferecer sua mão de obra, isso é erro fatal para toda a sociedade, afinal, o Brasil, assim como a grande maioria dos paises, estão envelhecendo e precisam mais do que nunca de mão de obra renovada, além do que, essa contradição hipócrita da lei, serve apenas para criar bandidos perigosos, que ao atingirem 18 anos, estão formados para o crime, já que não puderam trabalhar e buscaram apenas no crime sua formação. Na China, jovens tem permissão do governo para trabalhar normalmente (não apenas como estagiários como no Brasil) a partir dos 15 anos, desde que continuem estudando e, sim, respondem pelos seus crimes normalmente, como qualquer adulto com mais de 18 anos.
Este texto foi retirado do Blog do jornalista Joemir Beting da Rede
Bandeirantes, segundo Joelmir, o texto não está na íntegra, já que não foi permitida a sua divulgação nos meios de comunicação, também, segundo o assessor que permitiu o "vazamento" do relatório da conversa com o primeiro ministro chinês, o governo brasileiro optou por não divulgar estas informações por não se tratarem da real missão do primeiro ministro ao Brasil, que era apenas para tratar de assuntos comerciais entre os dois paises, mas como diz Joelmir, para bom entendedor, apenas isso basta, ou seja, não há interesse do governo em divulgar esses fatos, pois, para o PT e demais governantes, do jeito que o Brasil se encontra é exatamente o jeito que eles sempre sonharam, um país que reina a impunidade política e o povo não tem vez nem voz, até porque, essa cultura que o sr Wen tanto cita, é exatamente o que poderia causar problemas na atual política brasileira, portanto, um povo acomodado e que apenas assiste de camarote o corrupto sacar dinheiro do seu próprio bolso, é o sonho de qualquer criminoso do colarinho branco.
Joelmir Beting
Jornalista
Ps.: Recebi este texto por e-mail de um amigo e resolvi publicá-lo na íntegra aqui em Noites. Mesmo sendo algo totalmente “batido”, pois sei que todo mundo que vive por aqui sabe disso aí em cima de có e salteado. Entretanto, achei interessante ressaltar mais uma vez. Tem um ditado que diz que “tudo já foi dito uma vez, mas como ninguém escuta mesmo, então é necessário dizer novamente!” A única coisa que discordo é a pena de morte, pois meus princípios são totalmente contra a isso. Mas o resto, se entrasse em vigor amanhã, eu assinaria embaixo!

segunda-feira, 26 de março de 2012

Jornada



Na semana passada, percebi na PlayStation Network (PSN) um certo borborinho acerca de um novo jogo chamado Journey. Não dei muita atenção, porque em primeira instância não fui atraído pelo que vi. Porém, neste último final de semana, lendo algumas mensagens num fórum de games, fiquei bastante curioso porque praticamente todos falavam muito bem do jogo, numa rasgação de seda que há tempos não se via! E isso sim me chamou a atenção! Pra TODO mundo falar bem de um jogo deve mesmo ter alguma coisa de interessante nele. Então liguei o PlayStation 3 e adquiri o referido junto a PSStore – desculpe XBoxs users, mas é “only for PS3”. 30 minutos de download depois, estava eu me aventurando no mais incrível, no mais sensacional e em um dos mais belos jogos que já tive o prazer de jogar até agora.

É um pouco complicado tentar definir Journey como um jogo. É muito mais que isso. É um misto de aventura, de busca, de arte, de contemplação. Tudo isso misturado a uma história que praticamente não tem um porque. Tudo flui de acordo com a sua interpretação e também de como você conduz. Nesse meu review pessoal, vou tentar passar um pouco do que senti (e ainda estou sentindo, pois não terminei ainda) ao jogar essa maravilhosa obra-prima do mundo dos jogos.

Falando um pouco da parte técnica, Journey é um jogo de aventura produzido pelo estúdio americano Thatgamecompany, o mesmo que produziu alguns games de sucesso para o PS3, como Flow e Flowers! É um jogo que em nenhum momento tenta se parecer com qualquer outro jogo já lançado. Você logo de cara percebe isso porque nele não existe barras de energia, magia, estatísticas, números, comandos variados, diálogos e menus avançados. A simplicidade de Journey é ímpar e ela se faz valer com uma harmonia excepcional.


É um pouco difícil comentar do enredo de “Journey” sem estragar a festa... Afinal, o jogo não tem nenhuma espécie de diálogo ou qualquer tipo de texto que esclareça ao jogador o que se passa. A única coisa presente é uma forma remota de comunicação feita através da emissão de sons de diferentes notas musicais. Não, não tem nada a ver com um jogo de música, mas é desta forma que o personagem principal, uma espécie de entidade não- identificável, se guia pelo mundo do game e se comunica com outras criaturas de igual singularidade. A premissa  do jogo é uma só: atravesse o deserto, as cavernas, algumas construções remotas, algumas colinas de gelo e chegue ao topo de uma montanha aparentemente sagrada. Mas não pense que a sua missão será uma das mais fáceis. O jogo faz questão de te “enganar” e frisar que ali, além de jogador, você também é um espectador interativo, e terá que cumprir uma série de desafios para prosseguir. Falando um pouco das imagens, o visual do título é embasbacante. O foco não é no realismo e muito menos nas texturas super apuradas. Os pontos fortes são a plasticidade, a beleza artística e o design de interação de fases. Por isso, “Journey” consegue ser muito mais atrativo visualmente do que muitos jogos hoje em dia. A composição sonora é um espetáculo à parte. O som de flautas e de instrumentos mais serenos compõem canções variadas que tocam a todo momento e transmitem uma sensação de paz e solidão únicas. O mistério que abrange o mundo do game e transparece em cada momento da aventura é potencializado com as músicas que tocam nesse meio termo. Levando em conta que as variações de tom, ritmo e cadência de cada uma delas consegue adicionar um algo a mais, é fácil identificar que o encaixe das melodias nas mais diversas situações foram escolhidas a dedo – e a ouvidos.


Você poderá jogar “Journey” sozinho, o que já é extremamente divertido,  ou então numa novíssima modalidade multiplayer online. Sim, meu nobre, o jogo também pode ser jogado em grupo. Ou melhor, em dupla. Durante partida, o jogo está o tempo todo conectado à internet e, a qualquer momento, um outro jogador, de qualquer parte do mundo que esteja jogando no mesmo capítulo que o seu, pode se juntar à sua jornada. Num primeiro momento, a ideia parece um pouco estranha e retrógrada. Isso porque o jogo não permite nenhum tipo de comunicação, seja ela por mensagem, por textos ou por voz. Além disso, nem sequer mostra o nick ou o nome do outro jogador para que, em caso de necessidade – ou curiosidade –, possa-se entrar em contato para combinar partidas futuras ou objetivos secundários. Mas, pensando bem, não é exatamente essa a proposta do game? Lembram-se do protagonista não identificável, da ausência de texto, diálogos e detalhes do enredo? Tudo o que existe para aproximar os dois jogadores, agora vagando numa imensidão quase infinita são os poucos sons. Da mesma forma que a aventura solo, a emissão de nota musicais é a única forma de comunicação entre ambos. Jogada bastante minimalista e inteligente da produtora, uma vez, ao mesmo tempo em que se deseja dizer algo ao novo companheiro, por vezes será preciso decifrar o que ele quer de você, como uma ajuda em um puzzle, alguma área nova que quer mostrar, recarregar o lenço de flutuação, e assim por diante. É uma situação envolvente que lembra muito a comunicação rudimentar entre alguns animais (uso do instinto) e humanos ou de duas pessoas que não conhecem a língua de origem da outra. O contato imediato, por ser inesperado e em tom surpresa, causa estranheza momentânea pela dúvida do que exatamente fazer. Agora você tem um ser da mesma espécie, no mesmo mundo e com os mesmos objetivos que o seu. Sendo assim, basta seguir normalmente e ir completando os puzzles, mas agora com a ajuda de um parceiro que, por mais que esteja próximo, você nunca chegará a conhecê-lo de verdade. E é exatamente nesse antagonismo do falso-conhecido que o jogo  agrada mais ainda no modo online.


Finalizando, “Journey” é tocante, emocionante, envolvente e único. Sem dúvida alguma, é um jogo que merece uma chance para ser jogado e explorado. Lendo algumas mensagens no mesmo fórum que me fez querer jogar, pude perceber que cada pessoa entendeu e o jogou de um jeito, criando os seus próprios entendimentos e viagens para a jornada. Teve até jogador que comparou o jogo com a própria vida, onde você é meio que jogado neste mundo e inicia sua grande jornada em busca de auto-conhecimento e razões para a sua existência.

Portanto, se você for um feliz proprietário de um PlayStation 3, não precisa pensar duas vezes. Separe aquele dinheirinho da jurubeba e da ponta-de-peito e compre “Journey”! Vale cada real investido. Quem sabe a gente não se esbarra por aquele belo e intrigante mundo. O ruim é que nunca vamos saber que somos nós! Nunca mesmo! Mas quer saber? Isso é a última coisa que importa nessa fantástica jornada!

terça-feira, 13 de março de 2012

Sugestões

Em uma conferência, ao explicar para a platéia a forma de controlar o estresse, o palestrante levantou um copo com água e perguntou:

- Qual o peso deste copo d'água?

As respostas variaram de 250g a 700g.

O palestrante, então, disse:

- O peso real não importa. Isso depende de por quanto tempo você vai segurar o copo levantado. Se o copo for mantido levantado durante um minuto, isso não é um problema. Se eu o mantenho levantado por uma hora, vou acabar com dor no braço. Mas se eu ficar segurando um dia inteiro, provavelmente eu vou ter cãibras dolorosas e vocês terão de chamar uma ambulância.

E ele continuou:

- E isso acontece também com o estresse e a forma como controlamos o estresse. Se você carrega a sua carga por longos períodos, ou o tempo todo, cedo ou tarde a carga vai começar a ficar incrivelmente pesada e, finalmente, você não será mais capaz de carregá-la. Para que o copo de água não fique pesado, você precisa colocá-lo sobre alguma coisa de vez em quando e descansar antes de pegá-lo novamente. Com nossa carga acontece o mesmo. Quando estamos refrescados e descansados nós podemos novamente transportar nossa carga.

Em seguida, ele distribuiu um folheto contendo algumas formas de administrar as cargas da vida, que eram:

1 - Aceite que há dias em que você é o pombo e outros em que você é a estátua.

2 - Mantenha sempre suas palavras leves e doces pois pode acontecer de você precisar engolir todas elas.

3 - Só leia coisas que faça você se sentir bem e ter a aparência boa de quem está bem.

4 - Dirija com cuidado. Não só os carros apresentam defeitos e têm recall do fabricante.

5 - Se não puder ser gentil, pelo menos tenha a decência de ser vago.

6 - Se você emprestar R$ 300,00 para alguém e nunca mais vir essa pessoa, provavelmente valeu a pena pagar esse preço para se livrar dela.

7 - Pode ser que o único propósito da sua vida seja servir de exemplo para os outros.

8 - Nunca compre um carro que você não possa manter.

9 - Quando você tenta pular obstáculos lembre que está com os dois pés no ar e sem nenhum apoio.

10 - Ninguém se importa se você consegue dançar bem. Para participar e se divertir no baile, levante e dance, pronto.

11 - Uma vez que a minhoca madrugadora é a que é devorada pelo pássaro, durma até mais tarde sempre que puder.

12 - Lembre que é o segundo rato que come o queijo - o primeiro fica preso na ratoeira. Saiba esperar.

13 - Lembre, também, que sempre tem queijo grátis nas ratoeiras.

14 - Quando tudo parece estar vindo na sua direção, provavelmente você está no lado errado da estrada.

15 - Aniversários são bons para você. Quanto mais você tem, mais tempo você viveu...

16 - Podemos aprender muito com uma caixa de  lápis de cor. Alguns têm pontas aguçadas, alguns têm formas bonitas e alguns são sem graça. Alguns têm nomes estranhos e todos são de cores diferentes, mas todos são lápis e precisam viver na mesma caixa.

17 - Não perca tempo odiando alguém, remoendo ofensas e pensando em vingança. Enquanto você faz isso a pessoa está vivendo bem feliz e você é quem se sente mal e tem o gosto amargo na boca.

18 - Quanto mais alta é a montanha mais difícil é a escalada. Poucos conseguem chegar ao topo, mas são eles que admiram a paisagem do alto e fazem as fotos que você admira dizendo "queria ter estado lá".

19 - Uma pessoa realmente feliz é aquela que segue devagar pela estrada da vida, desfrutando o cenário, parando nos pontos mais interessantes e descobrindo atalhos para lugares maravilhosos que poucos conhecem.

Portanto, antes de voltarem para casa, depositem sua carga de trabalho/vida no chão. Não carreguem para casa. Vocês podem voltar a pegá-la amanhã. Com tranquilidade.

Ps.: Recebi isso de um amigo por e-mail e não pude deixar de publicar aqui. São, de fato, excelentes sugestões para a vida. Portanto, use & abuse sem moderação!!

quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

Tempo … Novos



Há quem tenha divagado desse jeitinho do outro lado do Atlântico: 
Cansado de deitar-se à luz do sol e ficar em casa observando a chuva
Você é jovem, a vida é longa, e há tempo para matar hoje.
E um dia, depois, você descobrirá que dez anos ficaram para trás.
Ninguém lhe disse quando correr, você perdeu o tiro de partida...
E concluído magistralmente assim: 
E você corre e corre para alcançar o sol, mas ele se põe
E gira ao seu redor para renascer às suas costas novamente.
O sol é o mesmo, de uma maneira relativa, mas você está velho
Com menos fôlego e um dia mais próximo da morte
Pra mim, o que acontece por esses dias foi dito aqui mesmo:
Só quero saber do que pode dar certo
Não tenho tempo a perder.
E tomo esses versos emprestados – segundo Neruda, pode! - para concluir assim: 
Portanto peço-te aquilo
E te ofereço elogios
Tempo tempo tempo tempo
Nas rimas do meu estilo
Tempo tempo tempo tempo...

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Como escrever bem

Nesses tempos de redes sociais, nunca a nossa amada e querida língua portuguesa foi tão maltratada, tão vulgarizada e tão destruída. Navegando pelos conteúdos(?) escritos, pode-se ter um ataque cardíaco de ver tamanhos absurdos que são postados e que nem sempre são erros de digitação. Penso que se escreve errado porque não se sabe mesmo como escrever. Sei que a língua portuguesa é um pouco complicada, mas o básico, saber escrever e falar o básico do dia a dia, todo mundo nascido nesse país deveria conhecer. Se comunicar todo mundo sabe, eu sei, mas se comunicar da forma correta – e porque não bonita? -deveria ser algo obrigatório e imposto a todo mundo que vive aqui em terras tupiniquins. Para dirigir você não precisa ser habilitado? Para ter acesso a canais financeiros você não precisa de um CPF? Até para usar uma simples motosserra precisa de licença! E porque não para viver no Brasil ser obrigatório ter uma “habilitação em português”?
Bom, fazendo a minha parte, achei algumas dicas que são excelentes e que podem te ajudar a melhorar um pouco esse seu português aí na hora que for escrever alguma coisa, seja uma redação, um post para o seu perfil nas redes sociais ou até mesmo um simples e-mail. A lista é fantástica e vale lembrar dela a cada vez que você for escrever algo.
1. Vc. deve evitar abrev., etc.
2. Desnecessário faz-se empregar estilo de escrita demasiadamente rebuscado, segundo deve ser do conhecimento inexorável dos copidesques. Tal prática advém de esmero excessivo que beira o exibicionismo narcisístico.
3. Anule aliterações altamente abusivas.
4. “não esqueça das maiúsculas”, como já dizia dona loreta, minha professora lá no colégio alexandre de gusmão, no ipiranga.
5. Evite lugares-comuns assim como o diabo foge da cruz.
6. O uso de parênteses (mesmo quando for relevante) é desnecessário.
7. Estrangeirismos estão out; palavras de origem portuguesa estão in.
8. Chute o balde no emprego de gíria, mesmo que sejam maneiras, tá ligado?
9. Palavras de baixo calão podem transformar seu texto numa porcaria.
10. Nunca generalize: generalizar, em todas as situações, sempre é um erro.
11. Evite repetir a mesma palavra, pois essa palavra vai ficar uma palavra repetitiva. A repetição da palavra vai fazer com que a palavra repetida desqualifique o texto onde a palavra se encontra repetida.
12. Não abuse das citações. Como costuma dizer meu amigo: “Quem cita os outros não tem idéias próprias”.
13. Frases incompletas podem causar.
14. Não seja redundante, não é preciso dizer a mesma coisa de formas diferentes; isto é, basta mencionar cada argumento uma só vez. Em outras palavras, não fique repetindo a mesma ideia.
15. Seja mais ou menos específico.
16. Frases com apenas uma palavra? Jamais!
17. A voz passiva deve ser evitada.
18. Use a pontuação corretamente o ponto e a vírgula especialmente será que ninguém sabe mais usar o sinal de interrogação
19. Quem precisa de perguntas retóricas?
20. Conforme recomenda a A.G.O.P, nunca use siglas desconhecidas.
21. Exagerar é cem bilhões de vezes pior do que a moderação.
22. Evite mesóclises. Repita comigo: “mesóclises: evitá-las-ei!”
23. Analogias na escrita são tão úteis quanto chifres numa galinha.
24. Não abuse das exclamações! Nunca! Seu texto fica horrível!
25. Evite frases exageradamente longas, pois estas dificultam a compreensão da ideia contida nelas, e, concomitantemente, por conterem mais de uma ideia central, o que nem sempre torna o seu conteúdo acessível, forçando, desta forma, o pobre leitor a separá-la em seus componentes diversos, de forma a torná-las compreensíveis, o que não deveria ser, afinal de contas, parte do processo da leitura, hábito que devemos estimular através do uso de frases mais curtas.
26. Cuidado com a hortografia, para não estrupar a língüa portuguêza.
27. Seja incisivo e coerente, ou não.
E pra terminar uma dica minha: não sabe como se escreve ou o que significa uma palavra, procure em um dicionário. Existem vários por aí, tanto on-line quanto no velho formato a lá Gutenberg!

terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

Devaneios sobre o Carnaval

Realmente, a cada vez mais descubro que a vida é mesmo feita de momentos. Momentos tristes, momentos felizes, momentos ruíns e momentos bons. E nesse carnaval agora não foi diferente. Meu último foi bom, estava rodeado de amigos, cada dia na casa de um, ouvindo música, tomando cerveja e imaginando mil coisas. Coisas essas que desfilavam pela minha velha cabeça, ainda um pouco perdida e procurando se encontrar naquela nova forma de curtir que se abria para mim. Sim, foi bom... Mas podia ter sido muito, mas muito melhor mesmo! Não que esteja reclamando, mas é que já havia acontecido coisas muito mais interessantes e é muito comum fazermos comparações. E então chegou mais um, de muitos que ainda virão. E mais uma vez, aquelas velhas perguntas me incomodavam: "Para onde? Como? Com quem?" Confesso que haviam muitos convites pairando, mas de última hora resolvi ficar com a pessoa mais importante da minha vida: minha querida progenitora! E vim, muito bem acompanhado, diga-se de passagem, para um carnaval simples, sem muitos rocks, apenas curtindo momentos juntos. E amigo, acredite, está sendo maravilhoso. Estou a escrever esse post no final do último dia de carnaval e confesso que já estou com saudades do que passou nesses 4 dias ao lado de duas pessoas fantásticas. Mais uma vez não vou citar nomes (chama o jurídico!), mas posso dizer com todas as letras que tive momentos assim, incríveis... Momentos bonitos, de alegria e, é claro,  de festa! E mais uma vez fico, literalmente, maravilhado! Achei que esse carnaval seria como um outro qualquer e no final, foi um dos melhores que já passei! E acredito firmimente que os outros que estão por vir serão ainda melhores!

E pra terminar..

Latinhas de Brahma ... 20,00 com Mastercard!
Crepe de Queijo ... 5,00 com Mastercard!
Sorvete de frutas ... 10,00 com Mastercard!

Passar uma noite debaixo de chuva junto com ELA ouvindo música...

Não tem preço!!!!

Existem coisas na vida que o dinheiro não compra ...
Para todas as outras existe Mastercard!

Aceito de padarias a Apple Stores!!!

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

LostWinds



Imagine que você tivesse um poder para controlar o vento? Pense, então, na possibilidade de manipular este elemento da natureza? Pode parecer um pouco sem sentido, mas essa é a essência do game LostWinds, do estúdio inglês Frontier. Na estória, você é Toku, um jovem rapaz que é o único que pode salvar o mundo de Mistralis do mal. Então você usa o poder de Enril, o espírito do vento, para ajudá-lo nessa terra encantada e mágica, cheia de intrigas que explode para a vida com todas as suas ações e explorações. Com uma delicada brisa ou um devastador tornado, Enril protege e guia Toku por uma estonteante aventura pelas terras mágicas de Mistralis.
Lançado originalmente em 2008 exclusivamente para o Nintendo Wii, o jogo utilizava uma mecânica super criativa através do Wii Remote para controlar o vento na empolgante jornada de Toku. Recentemente foi portado para o iPad e os controles foram re-adaptados paras os dispositivos com telas sensíveis ao toque. Está disponível para iPhones 3GS, 4 e 4S e iPads. Com um tamanho de aproximadamente 80 MBytes, o lindo jopo custa US$ 3,99! Lembrando - se é que alguém ainda não sabe disso - que o mesmo não existe na App Store Tupiniquim.
Eu fiquei um pouco relutante em adquiri-lo. Mesmo recebendo 5 estrelas de todos que compravam, eu me questionava se ainda teria tempo para se dedicar a mais uma aventura. Eu bem que sei que elas consomem um tempo significante da sua vida, dependendo do nível de dificuldade e da trama, é claro! Quem, nos anos 80, jogou Amnesia sabe muito bem o que estou falando! Mas então tomei coragem, tirei o escorpião do bolso e comprei. Fiquei literalmente encantado! Além de ser um jogo muito, mas muito bonito mesmo, com uma excelente trilha sonora, a trama é de uma ingenuidade e sagacidade brilhantes, com quebra-cabeças simples e nem por isso óbvios. Lógico que você vai precisar usar o grande cabeção e pensar um pouco para solucioná-los (ainda não terminei), mas não é nada absurdamente complicado. Jogando LostWinds, me lembrei da minha infância, quando passava horas e mais horas em frente a um Apple jogando fantásticas aventuras como Masquerade, Mask Of The Sun, Kings Quest ou o intrigante Fahrenheit 451! Fica aí a dica para quem tem um iPad!