terça-feira, 26 de dezembro de 2006

Encontros e Despedidas

Hoje uma amiga partiu para uma nova etapa da sua vida e foi embora de Linhares! Ela me pediu para levá-la na rodoviária e o que seria um simples avião foi na verdade uma espécie de "despedida" para mim, adiada da noite de sexta-feira. Nesses 10 meses de um intenso relacionamento, aconteceram coisas muitos legais, divertidas e muito estranhas também e acredite, fiquei meio que down por ela ter partido! Quando ela me contou da decisão que tomara de mudar o rumo da sua vida, eu fiquei triste e contente. Contente por que isso era o que ela há muito tempo queria e triste por que ela iria embora e ficaria mais difícil nos encontrarmos novamente. Falando em encontros, foram muitos e ótimos, diga-se de passagem. Alguns ficaram marcados para sempre na minha vida, como o do nosso primeiro encontro, por exemplo. Tínhamos combinado de assistir alguns DVD's aqui em casa e eu comecei a fazer os preparativos. Tive que ir até a um supermercado comprar algumas "cositas" e vivi algumas aventuras por lá. Bom, não vou entrar em detalhes de tudo que aconteceu naquela noite, pois senão vão me tachar de pervertido, mas saiba que foi inesquecível, tanto para mim quanto para ela (ela mesmo já me confidenciou isso). Outra noite que rimos muito foi quando saí da faculdade e recebi um torpedo dizendo "Saudades de vc" e imediatamente respondi. Fui convidado a ir até a sua casa. Conversa vai, conversa vem, nós no seu quarto já aos "beijos e abraços" ;) - e na televisão ligada rolava o Programa do Jô! Quando estávamos alí naquele momento único e magistral, o Jô solta essa:

- Carta enviada por fulano de tal de tal lugar... Jô, você é um motorista de caminhão e está carregado de minério de ferro. Você precisa levar a carga rapidamente até duas cidades que estão longe uma da outra: Tupi e Juá! E então, você leva ferro até em juá ou leva ferro até em tupi?


Cara, de repente nós dois começamos a rir muito daquilo, e não é preciso nem comentar que tivemos que dar um "stop" e iniciar tudo outra vez... Aquele incidente foi hilário! De vez em quando a gente lembrava dele e começávamos a rir, os dois... :)
Outro incidente que não esqueço eram os torpedos "apimentados" que trocávamos... Quantas vezes eu no maior pique do meu dia-a-dia e de repente o celular informava um novo torpedo e no meio dos meus códigos ou dos meus pepinos, um sorrisso brotava do nada... Até as pessoas que estavam em volta percebiam isso e faziam piadas... Teve uma conversa nossa via torpedo que também ficará guardada para sempre nas minhas lembranças... Na verdade foi um todo um jogo de sedução on-line! :) hehehe! Muito bom... Abaixo descrevo os torpedos, que foram copiados da memória do celular, através do software Motorola Phone Tools - assim como meus e-mails e conversas do mesenê, também guardo em backup todos os torpedos que recebo e envio! - sim, sou doido mesmo:

Ela - Esqueci de contar a novidade! Vou ganhar um computador.

Eu - Que bom! Vai blogar muito agora

Ela - Isso vicia.

Eu - I◊¿ a: if Il @ - :i

Ela - Dicupa, não entendi....

Eu - Quis dizer que vicia igual álcool...

Ela - Você quis dizer isso naquele código??? Depois me ensina a tradução....eu tomo bebida alcoólica e nem por isso sou viciada...blog é pior...

Eu - Que código?? Deve ter sido acentuação...

Ela - Você acabou de travar meu telefone!!!

Eu - Eu não!!!! Será que a Vivo utiliza Windows?..hahahaha

Ela - Tesão por vc...

Eu - Ai...assim você me deixa excitado...

Ela - A idéia é essa...lembro daquela primeira noite...foi louco!

Eu - Foi louco mesmo...mas um dia a gente relembra...

Ela - Pôxa..

Eu - Porque pôxa?

Ela - Vou ficar aqui abraçando o travesseiro e (^~¿®....∞∞¥עش* &)...

Eu - Sacanagem hein!...agora me deixou com vontade de (^~¿®....∞∞¥עش* &)...

Ela - Bem, se você não acha que vontade é uma coisa que dá e passa, pode vir até aqui...

Eu - Me dá 10 minutos...

Ela - Demora nãããããoooo


:)

Foram momentos felizes e confesso que ela foi uma pessoa que tentou me ajudar muito, mesmo às vezes eu negando tal ajuda... Ela sabia quando eu tava bem e quando eu tava mal... Sabia sim e sempre tentava de uma maneira sutil conseguir confissões ou desabafos, os quais eu negava viementemente a dizer. Vou sentir saudades... Vou sentir saudades das ligações telefônicas, dos torpedos descrompromissados, dos convites inesperados, dos "dramas mexicanos" e das visitas noturnas, às vezes regadas a vinhos, camparis, cervejas ou whiskis e às vezes sóbrios mesmos! Vou sentir saudades... Vou sim... E torço muito por você, minha amiga! Torço mesmo... Sei que vai ler isso e também sei que sempre passará por aqui para saber como estou... Sei disso! Então aproveito para dizer que você também é muito especial pra mim... Muito mesmo! Que você seja muito feliz...

Em tempo:

Encontros e Despedidas
(Milton Nascimento)

Mande notícias do mundo de lá
Diz quem fica
Me dê um abraço venha me apertar
Tô chegando
Coisa que gosto é poder partir sem ter planos
Melhor ainda é poder voltar quando quero
Todos os dias é um vai-e-vem
A vida se repete na estação
Tem gente que chega pra ficar
Tem gente que vai pra nunca mais
Tem gente que vem e quer voltar
Tem gente que vai querer ficar
Tem gente que veio só olhar
Tem gente a sorrir e a chorar
E assim chegar e partir
São só dois lados da mesma viagem
O trem que chega
É o mesmo trem da partida
A hora do encontro é também despedida
A plataforma dessa estação
É a vida desse meu lugar

:~)

sexta-feira, 22 de dezembro de 2006

Bruxas, Feitiços e Encantos

Sábado passado, na festa da Acqua Fértil (vide post abaixo) eu conheci uma bruxa, uma "bruxinha" na verdade... Não posso e não vou revelar sua identidade para não causar possíveis transtornos a ela. Olhando-a, você nem imagina que figura que é essa bruxinha. Bastaram poucas horas de conversa na festa para eu descobrir que, apesar de ser uma bruxa (como ela mesmo se chama), ela é encantadora. Primeiro pelo seu português. É isso mesmo... Eu e John Player começamos uma "brincadeira" de estudar português e tudo que perguntávamos ela acertava e ainda colocou a gente em situações que ficamos, literalmente, de cara. Depois ela começou a ler minha mão (como as ciganas) e disse algumas coisas bem interessantes ao meu respeito. Um pouco mais tarde (eu mais pra lá do que pra cá - leia-se álcool), ela me revelou que também joga Tarot. E como eu sou meio místico para esse tipo de coisa, fiquei louco para ela jogar pra mim... E combinamos que em qualquer dias desses ela iria fazer o "serviço"... De uma certa forma, eu fiquei meio que encantado (ou seria enfeitiçado) por ela... Numa outra festa de confraternização, lá estávamos nós novamente: eu, a bruxinha e mais alguns amigos. E novamente começamos a conversar e fiquei novamente de cara quando ela me disse que criava um sapo-boi em casa, o tal do Lanchinho! Digo criava porque, segundo ela, a vizinha viu aquele sapão de nome tão simpático pulando pela calçada da sua casa e jogou sal no seu "bichinho"... Realmente tem tudo haver né? Uma bruxa tem que ter um animalzinho e nada mais meigo do que um sapo-boi com um nome lindinho... Hoje ela tem 3 gatos que moram (ou freqüentam) a sua casa. Ela me disse o nome dos três, mas não estou conseguindo lembrar agora! Cheguei até a comentar com ela do gato mais doido do mundo que eu tinha: o byte!
Apesar de conhecê-la há pouco tempo, acho que esta história vai um pouco mais longe do que está e terei ótimos posts sobre isso aqui, principalmente sobre seus feitiços e também a interpretação do Tarot que ela vai jogar pra mim. Pra terminar, lembrei de um ditado que os espanhóis usam muito e que (depois de ter conhecido a bruxinha) descobrir o quão verdadeiro ele é... :)

" Não acredito em bruxas. Mas que elas existem, existem!!! "

segunda-feira, 18 de dezembro de 2006

Nova Dupla Musical



Pedrinho & Júnior
( ..: Live at Acqua Fértil Fest - 2006 Edition :.. )

Presented by
Acqua Fértil

17 / 12
Principado de Linhares City - Espírito Santo
Brasil - América do Sul - Planeta Terra


Já disponível nas melhores lojas!!!




segunda-feira, 11 de dezembro de 2006

Segundas...


Final-de-semana igual a cobra de laboratório:

" SÓ NO ÁLCOOL! "



Ps.: O complicado é ter uma reunião segunda-feira logo pela manhã... Dormi quase que a reunião inteira... Saí de lá sem saber muito bem o que foi decidido! :)

domingo, 10 de dezembro de 2006

Fim de final-de-semana

Ao cair da noite do domingo, é hora de começar a pensar na semana que está se iniciando, em outras palavras, voltar para a dura realidade dos problemas cotidianos e também momento de lembrar das shits ocorridas nos dias passados. Bom, para ser sincero mesmo, revelo que o final-de-semana começou na terça-feira passada. Fizemos um rockzinho aqui que era para ser bem tranquilo, mas não foi! Eu nem sabia que estava acontecendo! Só fui descobrir que estava acontecendo a festa quando cheguei em casa! Na quarta, pra variar, aconteceu mais uma edição da "Quarta Sem Lei" e novamente o rock foi até tarde, sempre regado a cerveja, ixcóti, música e muita balangação de beiço! Na quinta-feira o rock foi mais musical, apesar de não ter faltado cerveja e muita empolgação pelo que assistimos. Caiu em minhas mãos o dvd CREM (Ginger Baker, Jack Bruce e Eric Clapton)! Um showzão de rock que aconteceu agora em 2005 no Albert Hall! Simplesmente um dos melhores show de rock (parodiando as palavras do meu irmão) que eu já vi. Cara, Eric Clapton é o melhor...
Na sexta era o dia da festa dos professores e funcionários da Unilinhares. Tinha combinado com a garota de pegar ela e irmos juntos. Pegamos também uma outra amiga e lá fomos nós. A festa lá tava muito boa mesmo! Muita cerveja, muito papo inteligente rolando e muita descontração. Uma coisa que não posso deixar de contar aqui é que aprendi um tal de "desamparo fundamental" ou "perda constituinte"! Em um outro post eu explico melhor o que é isso, se bem que nem eu entendi direito quando me contaram. Mas continuando, a festa terminou por volta das 5 horas e fomos para casa de um outro professor continuar a alegria. Estava tudo indo muito bem quando me fizeram tomar uma dose da cachaça de Salinas... Aliás, tomei uma não, que eu lembro foram umas 3... Daí em diante foi só esparrela... Não lembro de mais nada! Só me contaram que eu sentei no chão e fiquei ali, parado, doidasso, olhando tudo que acontecia... Saí de lá por volta das 8 horas e fui para casa! Cheguei, abrir a garagem, guardei o carro e dormir... Na cama? Não... Dentro do carro mesmo... Klayd chegou um pouco mais tarde e tava eu lá, dentro do carro dormindo (e talvez até sonhando) maravilhosamente bem(?)! Ele me acordou, ainda fomos comer alguma coisa e chovia pra caramba! Voltamos pra casa e me entreguei aos braços de morpheu, agora na cama mesmo!
No sábado a coisa foi mais tranquila... Dormir praticamente o dia inteiro e a noite um amigo me ligou para gente ir na boate, pois rolaria uma festinha para comemorar o décimo primeiro aniversário de uma banda local aqui de Linhares. Por volta de meia-noite partimos pra lá... Muita gente conhecida (pra variar)... Fiquei lá "balangando" com um e com outro quando vejo uma ex-aluna e amigona que não via há muito, mas muito tempo mesmo! Um amigo que viu a cena quando nos encontramos chegou a me dizer: "Nossa! Foi um encontro cinematográfico! Só faltou um beijo para ficar ainda mais bonito!"... :) Isso porque quando ela chegou na minha frente, eu fiquei olhando pra ela meio que sem entender e sem lembrar quem era! E ela também, com os belos olhos azuis, ficou ali me olhando... Como se a gente tivesse tido algo muito forte num passado bem remoto e agora nos encontramos novamente! Foi muito legal. Como eu disse a ela lá mesmo, ela era a última pessoa que eu imaginaria encontrar por ali! A festa em si foi muito boa... Dancei muito ao som de alguns hits que nem lembrava mais, encontrei muitos amigos e me divertir bastante! Cheguei em casa era mais ou menos uma 5 da matina e fui dormir (na cama, é claro) :)!
E no domingo, conforme começei este post, é o dia da gente relembrar de tudo isso que passou e rir muito...

segunda-feira, 4 de dezembro de 2006

Pensando...

Para mim mesmo...

Uma nuvem não sabe porque se move em tal direção,
apenas sente um impulso:

É para este lugar que devo ir agora.
Mas o céu sabe os motivos e desenhos por trás de todas as nuvens,
e você também saberá,
quando se erguer o suficiente para ver além dos horizontes.
( Richard Bach )

Ps.: Às vezes, no silêncio infinito das noites, tenho conversas comigo mesmo. Mas são conversas tão inteligentes que algumas vezes não entendo uma só palavra do que estou dizendo!

domingo, 3 de dezembro de 2006

Deep Purple

Existem coisas que saem melhores do que a gente imagina! Sexta-feira agora depois das aulas saí de Linhares exatamente às 11:30 da noite. Destino? Vitória! Fui para assistir ao show de uma banda que gosto pra caramba, o Deep Purple. Bom, chegando lá eu e John Player já fomos para um rockzinho "light"... Light era o que deveria ter sido... Foi, até eu ter pedido ao barman uma dose de vodka Absolut. Daí em diante foi esparrela e fomos chegar em casa por volta das 6 da manhã. Isso depois de ter acontecido "n" coisas numa padaria próxima da casa (mas isso fica para um outro post). Acordamos mais ou menos às 2 horas da tarde (pra variar), almoçamos e esperamos um outro amigo, Big Iron que também estava vindo para o show. Por volta das 19:00 hs saímos de casa eu, John Player, Big Iron e ainda pegamos uma amiga de John Player e partimos para o show. Chegamos, estacionamos o carro e fomos para a fila que estava quilométrica até a entrada. No caminho, encontramos alguns compatriotas de Linhares e ficamos por lá, junto com os caras. Nisso, acontece uma confusão tremenda envolvendo bilhetes, portaria, procom e ficamos alí olhando aquilo tudo! Por uma coincidência estávamos em frente a entrada VIP para os camarotes! Um amigo meu (com ingresso de pista) foi pra entrada dos "Vip's" e entrou normalmente e lá de dentro começou a me chamar... Rapidamente chamei John Player e (até agora não sei como e nem porque) entramos com ingresso de pista na área vip. Recebemos a "identificação" dos camarotes e lá estávamos nós 4, em pleno camarote, a praticamente 1 metro do palco, rindo muito e sem entender nada. Custamos a voltar para a real, pois não acreditávamos no que tinha acontecido. O resto depois, como diz Big Iron, foi "clássico". Ficamos praticamente em frente ao palco, assistimos ao show local da banda Oz (que foi muito bom) e finalmente eu pude ver o jurássico Deep Purple tocando na minha frente. Sim, amigo, eu fiquei a menos de 1 metro do palco e assistir ao show inteirinho babando, gritando e pirando o melão quando Steve Morse fazia aquela guitarra chorar na minha frente. E pirava mais ainda quando Roger Glove "metralhava" a gente com seu baixo.
O show foi simplesmente inesquecível... Muito, mas muito rock mesmo e ainda por cima de uma banda que me marcou! E poder vê-los ali na minha frente foi uma emoção indescritível. E quando eles tocaram o clássico Lazy?!? Quase tive um orgasmo... Foi sensacional! Me emocionei também ouvindo o baixo de Glove em "Higaway Star" e todo mundo, repito, todo mundo cantou "Smoke On The Water" numa voz só... Foi fantástico mesmo! E aí vem a melhor parte... Antes do biz, eles começaram a jogar para o povo algumas "lembrancinhas" como palhetas, toalhas, baquetas, etc... E a cada lançamento era uma alvoroço só! Eu nem tentava pegar nada, pois a confusão era enorme. Mas então... Então... Steve Morse pega sua toalha, se enxuga e joga na minha mão! Ela veio caindo, lentamente nas minhas mãos, como se ele tivesse dito (eu imagino): "Toma Adilson, essa é pra você!" Rapidamente eu peguei, afastei pra grade de proteção e já fui gritando: "Peguei... Parô... Já peguei, porra... Parô... Parô que eu já peguei... Essa é minha!". Ainda não tinha acreditado que estava com a toalha "do cara" comigo! Essa toalha tem uma história toda especial por um acontecimento na casa de John Player, mas isso já é outro caso. Ao final da terceira música do biz, Steve ainda jogou uma palheta personalizada, azulzinha com " Deep Purple - Steve Morse " escrita em letras púrpuras brilhantes que eu também tive a sorte de consegui pegar, pois ela caiu na minha frente e aí então foi fácil! John Player ficou louco quando mostrei minhas lembrançinhas do show... :)
Esse, certamente, foi um final-de-semana inesquecível . . . Vai deixar saudades ...



quinta-feira, 30 de novembro de 2006

Passando Vergonha

Putz! Terça-feira passada aconteceu um lançe comigo num dos meus clientes que me deixou assim, sem jeito mesmo! Raramente fico sem saber "o que fazer" quando algo desagradável acontece ou mesmo quando algum mico está para acontecer. Bom, sempre tenho um relacionamento muito amigável e saudável com meus clientes e parceiros. Estava numa loja resolvendo alguns "pobreminhas" quando cheguei perto de uma vendedora (que é minha amiga e chegada) e comentei olhando-a de cima em baixo:

- Nossa! Por que você está tão filet assim hoje?!?

Nisso, a proprietária deu uma leve catucata nela e saiu de perto, subindo para o escritório.
Um homem se aproxima da gente e ela diz meio sem jeito:

- É pra ele... Esse é o meu namorado...

Eu, já ficando sem graça e vermelho olhei para o cara e disse já meio engasgado com a saliva que se formava:

- É (glup!) mesmo?

E ela confirmou, rindo meio sem graça também. Nesse instante o homem diz:

- Muito prazer, sou Adilson, namorado dela... -

Sim, o cara também era meu xará... :/

Cara, se houvesse algum buraco por ali eu anfiava a cabeça... Um a um os vendedores foram saindo de perto e eu fiquei ali, parado olhando para o homem sem saber o que fazer e o que dizer. Raramente isso acontece. Sempre tenho alguma "saída pela direita", como o Leão da Montanha. Mas dessa vez, o Pentium IV Dual Core simplesmente travou, o Windows parou de responder e
faltou pouco para uma famosa tela azul, ou vermelha! O namorado dela (agora eu sabia disso) comentou algo com ela que não me lembro agora, deixou um presente que ele estava ali esperando para dar e se retirou...
Não preciso nem dizer que depois disso o povo lá da loja caiu em cima de mim me sacaneando pelo furo... Putz! Essas coisas só acontecem comigo!!!

terça-feira, 28 de novembro de 2006

Palavras Mal Ditas

Tem um pensamento que diz:

"As três coisas que não voltam atrás: a pedra lançada, a flecha arremessada e a palavra dita."

Sinceramente eu não entendo o que acontece comigo! Muitas vezes eu digo coisas que, de certo modo, não deveria dizer. Aliás, tenho que seguir um outro que diz o seguinte:

"Fazei com que vossa língua não vá além do vosso pensamento!"

Mas não, sempre abro a minha enorme boca e digo coisas que não deveria! Mesmo sendo verdades (ou não). Às vezes, o melhor a fazer é ficar no mais completo silêncio, como eu fiz num passado não tão remoto. Mas um minuto de bobeira (ou viagem) e pronto! Até eu consegui que a pessoa entenda o que eu realmente quis dizer, foi-se longas e mais longas discussões ou até mesmo pequenas antipatias pelo simples fato de "má interpretação"!
Recentemente eu enviei uma mensagem para alguém e essa pessoa entendeu a mensagem de uma maneira completamente adversa do que eu, de fato, quis dizer. E fiquei deveras chateado por isso, pois não era para ter sido interpretado da forma como a pessoa interpretou. E agora cá estou lamentando o ocorrido. Mas vou corrigir isso... Vou pensar em todas as nuanças possíveis para que a mensagem seja compreendida (e entendida) da maneira como que pensei, sem duplas interpretações. Por enquanto, vou atualizar o pensamento e trazê-lo para esse selvagem início de século:

" As cinco coisas que não voltam atrás: a pedra lançada, a flecha arremessada, a palavra dita, o torpedo disparado e o e-mail enviado. "

Well, como dizem os franceses: Ces't la vie! ...

Home ... Sweet Home...

Ó minha casa aí no Google Earth...



S H O W ... :)

segunda-feira, 27 de novembro de 2006

Nova Etapa


Li em algum lugar que uma grande jornada começa com um simples passo e ontem eu dei o primeiro... Uma grande pendência profissional foi iniciada e sinceramente espero continuar esta caminhada até o final! Já era para isso ter sido solucionado há muito tempo, mas sempre adiei, às vezes por não poder mesmo e às vezes por pura falta de interesse! Sei que terei inúmeros problemas e dificuldades, mas acredito cegamente que chegarei ao meu objetivo. Agora só depende de mim...

sábado, 25 de novembro de 2006

Tudo é Relativo

Fim de tarde, um ginecologista aguarda
Sua última paciente que não chega.
Depois de 45 minutos, ele supõe
Que não virá mais e resolve
Tomar um gin tônica
Para relaxar antes de voltar para casa.

Ele se instala confortavelmente
Numa poltrona e começa a ler o
Jornal quando toca a campainha.
É a paciente que chega toda
Sem graça e pede desculpas pelo atraso.
- Não tem importância,
Imagine - responde o médico.

- Olhe, eu estava tomando
Um gin tônica enquanto a esperava.
Quer um também para relaxar?

- Aceito com prazer - responde
A paciente aliviada.
Ele lhe serve um copo,
Senta-se na sua frente
E começam a bater papo.
De repente ouve-se
Um barulho de chave na porta do consultório.
O médico tem um sobressalto,
Levanta-se bruscamente e diz:

- Minha mulher! Rápido,
Tire a roupa e abra as pernas!

Copiado descaradamente daqui!

quarta-feira, 22 de novembro de 2006

Wake up, John! Wake up ...


A minha alegria já não mais existe... Hoje morreu (ou acabou?) algo que me foi especial durante algum tempo, efêmero eu sei, mas foi... Algo que nunca existiu, a não ser no íntimo dos meus desejos e na minha mais singela imaginação e que gostei bastante! Gostei de uma mentira e talvez de alguns contos e histórias. Fui nada mais que apenas alguém, um co-adjuvante camuflado no meio de palavras e pactos ensaiados num obscuro teatro com alguns protagonistas. Fui só mais um... Afinal, um sonho nada mais é do que isso mesmo, um sonho, irreal e bom até o inevitável momento em que acordamos e sentimos o gelo da realidade. Fui inocente e ao mesmo tempo cego por acreditar em algo que nunca existiu e que talvez pudesse ser. Dizem que uma mentira passa a ser verdade depois que alguém acredita nela e será que em algum momento eu acreditei mesmo? Fui o maior de todos os tolos por não aceitar o que eu sempre soube, porque isso era simplismente incompatível com minhas alegrias e meus desejos. E acredite, meus sentimentos eram maiores, bem maiores do que qualquer verdade escondida, por mais estranha e impossível que fosse.
Essas são as últimas palavras neste terceiro e último ato...
Cai o pano!
Wake up, John! Wake up ...

Cair das Máscaras


Há algum tempo atrás, escrevi um post falando sobre falsidade, no qual eu comentava como existem pessoas falsas nesse mundo e contando sobre um incidente ocorrido. Para entender melhor, dá uma lida lá antes de continuar lendo esse aqui! Bom, ontem eu fiquei sabendo de um acontecimento que me deixou, vamos colocar assim, meio que contente. É aquele chavão que escrevi ao final do post:


"Pode-se enganar poucas pessoas durante muito tempo e pode-se enganar muitas pessoas durante pouco tempo. Mas não se pode enganar todas as pessoas o tempo todo!"

E não é que descobriram que o cara que se diz ser o "o cara" é uma farsa. Algumas pessoas (sem que eu fizesse nenhum tipo de comentário) vinheram propositalmente comentar comigo. E devo confessar que ouvir isso com um prazer incomensurável. E então aproveitei e também disse a minha versão e o que eu sempre achei dos eventos passados e como que eu fiquei meio que "magoado", não pelo que aconteceu, mas pela forma como que aconteceu. Não pararam para ouvir o que eu tinha a dizer e nem sequer me pediram opinião e agora a verdade, como eu sempre soube que aconteceria - tanto que fiz questão de escreve aqui mesmo em Noites - veio a tona e máscara finalmente caiu, revelando tudo...

segunda-feira, 20 de novembro de 2006

Telemar x Adilson (Parte I)

No mês de julho de 2006 entrei em contato com minha operadora de telefonia celular (a Telemar - esse mar do final aí só pode ser de már, ruím mesmo) para poder cancelar uma das linhas que eu tinha (aliás, tenho)! Bom, me transferiram para um tal de "Controle de Qualidade" (não sei de quê qualidade eles falam) e a atendente na mais nobre educação me propôs manter a minha linha, que eu receberia um desconto de 100% na assinatura, que eu receberia isso e aquilo e até se eu quisesse ela vinha aqui passar uma noite comigo, tudo para eu não cancelar a linha! Como eu lamento não ter mantido a decisão de cancelar. Mas não, aceitei a idéia e fiquei com a outra linha. O que aconteceu depois? Quatro meses se passaram e eles continuam me cobrando normalmente a assinatura. Liguei uma vez contestando a conta. A atendente do outro lado disse que era para mim descartar esta conta, que eles iriam enviar outra já com o valor certo! Fiz o que ela me pediu. Passaram quase que 30 dias e nada de chegar a nova fatura. Chegou a do próximo mês cobrando novamente a p*rr* da linha que deveria estar cancelada. Liguei novamente avisando que não recebi a fatura do mês anterior e a atendente viu lá no sistema deles (cara, como eu queria saber quem desenvolveu esse programa para eles... deve ser ruím demais) e falou um monte de besteira que elas sempre dizem, que estaria encaminhando o problema ao setor responsável, etc e tal... Mas hoje (dia 20/11), quase que 60 dias depois, eles me ligam me dizendo que a linha será bloqueada! E pra piorar me pegaram num momento não muito bom! Pedi para a pobre-coitada do outro lado abrir os registros e me dizer tudo que tinha lá sobre as constentações. Ela olhou e começou a me "enrolar", dizendo que as datas não batiam, que tinha que ter sido constestada 10 dias antes do vencimento. "Mas como, se eu só recebo a conta quase que 2 dias antes de vencer?" - disse eu rindo (só podia fazer isso, rir). Ela ficou meio sem saber (e pediu para mim aguardar na linha - como sempre fazem quando elas não sabem mais como agir) e disse que eu deveria ter entrado em contato antes informando que a conta não tinha chegado. Enfim, vou ter que pagar a droga da outra linha normalmente, sem ter usado 1 minuto sequer. A praga do chip tá jogado em cima da minha mesa em casa! O que dá raiva mesmo é o sentimento de "não poder fazer nada"! Você fica nas mãos deles e eles fazem o que querem! E se você se der ao desprazer de ligar para reclamar seus direitos, eles te enrolam de um jeito que só as teles sabem fazer. Inventam um monte de coisa que não existe, mudam as regras no meio e você fica ouvindo, com a orelha quente, sem poder fazer nada! Xingar a atendente? Se adiantasse alguma coisa meu problema teria sido resolvido, pois você não imagina o tanto que a menina ouviu! Coitada!! Fazer o quê? É o trabalho dela... Uma vez um amigo me disse que todas as operadoras de telefonia celular são iguais, o que muda é o nome da mulher para a qual você liga xingando e gritando! Verdade inconstestável!

E no placar das Casas Polar Tintas, com pê de pintor...

TELEMAR 3 x 0 ADILSON

E o jogo continua...

Ps.: E você não imagina como que entrei nessa... Realmente, como disse Voltaire, "Deus é um ator que interpreta para uma platéia que tem medo de rir!" :)

domingo, 19 de novembro de 2006

Vatapá e Caganeira

Nossa! Estou, como diz um amigo, "menstruado".... Ontem a noite fui na casa do meu coodernador numa festinha comer um vatapá. Como a maioria dos amigos dele são professores (óbvio), então havia muitos colegas e gente conhecida da faculdade por lá e então começei um ritual: cerveja, conversa e vatapá. Já que eu tinha ficado praticamente o sábado inteiro sem comer nada, não preciso nem dizer que "enfiei as cara" no prato principal. Tinha uma panela enoooooorme e a cada passada pela mesa a boca enchia de água e lá estava eu com mais um pratinho na mão. A Bohemia gelada também era um aperitivo a mais, visto o calor natural que estava fazendo e mais o calor interno ocasionado pela malagueta que tornava o sabor do vatapá ainda mais irresistível. Após algumas horas, começo a sentir uma revolução na minha barriga. Internamente ouço aqueles sons característicos avisando "procure urgente um banheiro" e como os ruídos estavam frequentes demais, percebi que DE FORMA ALGUMA iria ao banheiro alí. Não poderia correr um risco de fazer uma "arte barroca" no banheiro, pois tinha muita gente na festa! Rapidamente cheguei até meu amigo, inventei uma estória (com "é" mesmo) de que alguém estava me esperando e partir pra casa! Tive que vir bem devagar, pois a cada buraco que eu passava era uma gota de suor que escorria do rosto! Ao chegar em casa, fui deixando as roupas pelo caminho até chegar ao trono e... Ufa!!! Alívio repentino... Beleza! Agora vou tormar um banho e voltar pra noite... Foi só entrar no chuveiro e novamente os ruídos abdominais... Volto pro trono... E o resto da noite terminou assim: cama, banheiro, cama, banheiro, cama... Definitivamente, tenho que controlar mais minhas vontades! :)

sábado, 18 de novembro de 2006

The Beatles - Love

O Cirque du Soleil estreou no último dia 12 o espetáculo The Beatles - Love. Simplesmente maravilhoso. Tive acesso a trilha sonora do musical (dá-lhe Flávio) e ficou divinamente fantástico. Usando os tapes da Abbey Road Studios, o gênio George Martin (produtor dos Beatles na época, também conhecido como "O Quinto Beatle) e o seu filho Giles Martin fizeram um trabalho que encanta qualquer um, mesmo quem conhece pouco os quatro rapazes de Leverpol. A música que eu mais gostei foi Something de George Harrison. A edição dela ficou lindona. As músicas foram remasterizadas e ficaram um espetáculo e o Cirque du Soleil soube usar muito, mas muito bem mesmo os temas. Interessante ficaram os pout-pourri, nas suas perfeitas mixagens! Na própria página (link acima) você vê trechos do show. A única coisa que eu fiquei triste é que no final aparece um texto dizendo que o musical tem apresentação exclusiva no Mirage em Las Vegas! Putz! É nesses momentos que eu lamento não ter tantos Reais (e tempo também, né?) sobrando para pegar um voô aqui e fazer um "bate-volte" lá só para assistir!!! :(

quarta-feira, 15 de novembro de 2006

Saudades!


" Saudade é melhor do que caminhar vazio! "
(Peninha)

Ah a saudade... Quer sentimento mais bonito e ao mesmo tempo tão triste? Com a proximidade das festas de fim-de-ano, ando pelas ruas e começo a ver lojas enfeitando-se para o Natal, as crianças eufóricas escolhendo seus presentes e isso me remete a um passado remoto. Um passado que sinto muita, mas muita saudade mesmo. Lembro que já ficava imaginando para onde iríamos! E era aquela alegria só quando papai dizia que nosso destino era o Rio de Janeiro, na casa dos meus avós Silvio e Neuza. Certa vez, saímos de Linhares logo após o almoço do dia 31 de dezembro para passar a virada de ano no Rio numa súbita decisão de papai. Avisamos(?) ao povo, saímos e lá fomos nós. Chegamos em frente a casa da minha avó mais ou menos as 11:45 da noite, faltando pouco mais de alguns minutos para o ano novo. Cara, que saudade daquele dia... Todo mundo ansioso esperando a gente e a gente mais ainda para chegar. E foi aquela festa quando meu pai entrou na Rua dos Tintureiros, em Bangu já buzinando um Monza Hatch branco (acho que era esse carro) e todo mundo na calçada gritando e já deixando derramar as primeiras lágrimas de alegria. Lembro que tomamos um banho de champagne!! Simplismente inesquecível. E quando íamos para Guaçuí, na casa da minha outra avó ou da minha tia Celi! Reunian-se todos os meus tios na casa de Vovô Rafael e era aquele monte de gente que não acabava mais. Lembro das muitas brincadeiras e brigas (pra variar) envolvendo eu, minha irmã Fernanda, meus primos Rafael, Luciano, Christiam, Juan, Ana Lúcia, Priscila, Júnior etc... Todos na casa da vó Ildaim, comendo deliciosos pratos que ela fazia (que saudade da Polenta sem sal com carne moída)! Era uma alegria só. Tinha ano que íamos para Guaçuí no Natal e o ano novo era no Rio, na casa da vó Neuza! E tinha ano que esse povo todo vinha aqui para Linhares e também era festa e mais festa!
Mas o tempo foi passando... Papai passou desta para uma melhor (mais, mais, muito mais saudades). Meu vô Silvio também foi (mais saudades). Meus outros avôs Rafael e Ildaim também partiram e então o que era uma "grande família" teve um ponto final. E a palavra "família" passou a ser pra mim apenas uma lembrança, que a saudade faz ser feliz e ao mesmo tempo triste. E agora, ao se aproximar novamente destas datas festivas, fico a me questionar "para onde?" e "com quem?". E minhas saudades continuam a fazer doer o coração!!! :~)

segunda-feira, 13 de novembro de 2006

Perdido

Perdido ... Perdido ... Perdido ... Perdido ... Perdido ... Perdido ... Perdido ... Perdido ... Perdido ... Perdido ... Perdido ... Perdido ...



Perdido ... Perdido ... Perdido ... Perdido ... Perdido ... Perdido ... Perdido ... Perdido ... Perdido ... Perdido ... Perdido ... Perdido ...

Se alguma imagem pudesse representar meu estado de espírito agora, nenhuma se encaixaria tão bem quanto esta aí... Perdido... No tempo ... No espaço ... Na vida ... Enfim, somente perdido! Cadê o caminho??? :~(

terça-feira, 7 de novembro de 2006

Confissões Noturnicas

Estou ficando novamente viciado em chats noturnos ou noturnicos, como diz uma amiga, a GAROTA! Já faz alguns dias que estou tendo ávidos e interessantes papos com uma garota pelas madrugadas da vida e a conversa é tão intensa que nem vemos as horas passarem. Já por dois dias vou dormir por volta das 5 da matina para logo em seguida ir aturar alguns clientes no escritório. Como a garota não tem, como dizem os baianos, MeSeNê (segundo ela seu computador tá bichado) então nossos papos ocorrem nas diversas salas de chat que inundam a rede mãe. Eu já tinha até me esquecido de como são essas salas. Por mais que marcamos de nos encontrar (virtualmente) numa sala aparentemente vazia, tem sempre aqueles(as) que entram e querem por que querem participar do nosso papo. Tudo bem que ignoramos tudo e todos e só temos palavras para nós mesmos, mas isso às vezes enche o saco! O terrível é quando sutilmente uma mensagem desses visitantes inesperados aparecem no meio da nossa conversa ao ponto de respondermos achando que era do outro e aí dana tudo! Mas tudo isso é aceitável pelas sutilezas dos assuntos que são enviados de "Paula Cristina" e recebidos de "Gianechini". Verdadeiras confissões que certamente não teríamos coragem (pelo menos por enquanto) de dizer face-to-face! De casualidades da vida a saladas de frutas; de amores perdidos (ou achados) aos mais profundos desejos do coração e da alma, os assuntos fluem de uma maneira tão natural que tenho a impressão que estamos intimamente bem pertos, apesar de não estarmos! E as horas passam voando e logo em seguida lembro de uma frase cujo autor não me recordo agora: "Foi bom, mas tão bom, que nem senti o tempo passar"... Opa... Peraí... Que horas são?!? Nossa, já passa da meia noite... Talvez alguma garota esteja me esperando numa sala de chat!!! :)

sexta-feira, 3 de novembro de 2006

Urubus Matinais

Nesse último dia 2 de novembro (feriado de Finados), fizemos um rockzinho lá em casa... Nada muito "tchan" não! Compramos algumas geladas e John Player levou uma garrafa de vodka Absolut. E ficamos lá, assistindo a alguns vídeos, ouvindo músicas e conversando acerca das casualidades da vida! Já passavam das 5 horas da manhã e o dia já estava clareando quando fui fazer o bonde para desovar alguns amigos. Indo para as Três Barras, percebi um urubu em cima do abaju num poste praticamente em cima da rua. Achei aquela imagem interessante e engraçada. Em pleno finados, um urubu dormindo tranquilamente num post! Bom, fiz algum comentário com os passageiros, todos rimos e toquei o bonde! Entramos no bairro e era raro em cada poste não ter um ou dois e até três urubus pousados. Mas tinha muito mesmo! Alguns ainda dormindo, outros já aquecendo as asas e outros já se preparando para o café da manhã! :)
Achei aquele monte de urubu bem legal... O urubu é um animal muito simpático, o que estraga são aquelas pessoas que fazem analogia com um certo time de futebol que tem por aí! Mas tirando isso, o tal do Urubu é um bichinho muito simpático. Até o nome dele é bonito. URUBU. É uma palavra gostosa de dizer! Falando em palavra gostosa, você sabe qual é a palavra mais gostosa de dizer da língua portuguesa?!? Num outro post eu falo mais sobre isso. Mas voltando a falar das simpáticas aves e da cena matinal pitoresca, era muito interessante vê-los com as asas abertas se aquecendo para começar a busca por refeições! Mas o que eu achei legal mesmo era ver como aquele bairro, o Três Barras tem urubu. Praticamente em quase todas as ruas via-se um dormindo ou rondando a área. Fiquei triste por não ter uma câmera digital na mão naquele momento para registrar tão inusitada cena. Mas outras manhãs virão e na próxima vez levarei uma junto!

sexta-feira, 27 de outubro de 2006

A Mais Tocada do Momento...

Revelação
(Raimundo Fagner)

Um dia vestido
De saudade viva
Faz ressuscitar
Casas mal vividas
Camas repartidas
Faz se revelar

Quando a gente tenta
De toda maneira
Dele se guardar
Sentimento ilhado
Morto, amordaçado
Volta a incomodar

- * -

Letra simples e direta, mas inspiradora de emoções fortes. Mais uma vez sou pego "desprevinido"! Estava aqui ...

function FillDir(const AMask: string): TStringList;
var
SearchRec: TSearchRec;
intControl: integer;
begin
Result := TStringList.create;
intControl := FindFirst(AMask, faAnyFile, SearchRec);
if intControl = 0 then
begin
while (intControl = 0) do
begin
Result.Add(SearchRec.Name);
intControl := FindNext(SearchRec);
end;
FindClose(SearchRec);
if ........................................
end;
end;


... quando começa a tocar numa rádio on-line e entre begin's e end's (não sei se literalmente falando) muita coisa se passa ou se passou ou mesmo acontece e aconteceu... :~(

quarta-feira, 25 de outubro de 2006

Frases

"O FUTURO MAIS ESPLENDIDO VAI DEPENDER SEMPRE DA NECESSIDADE DE ESQUECER O PASSADO. NÃO PODES SEGUIR EM FRENTE ANTES DE SUPERAR OS ERROS DO PASSADO E TUDO O QUE CASTIGA SEU CORAÇÃO..."

Sou um ávido colecionador de frases e tenho uma coleção de dar inveja. Desde cedo (quando eu tinha um saudoso Apple ][ da Apple), já colecionava num famigerado bloco de notas e armazenava tudo num disquete de 5 1/4" (aaarrg!). Hoje, com as janelas, fiz um programinha em Delphi onde catalogo tudo num bom banco de dados de uma maneira super organizada e as cópias de segurança estão em DVD. Pelo fato de ter muitas, mais muitas frases mesmo, chego ao ponto de às vezes imaginar que tenho quase que tudo, sobre os mais ambíguos e obscuros assuntos! Só que, de vez em quando, eu esbarro em fragmentos como esse aí em cima que me deixam pensativo... pensativo... pensativo ao ponto de em alguns momentos entrar numa espécie de paranóia nostálgica! São palavras simples, mas que possuem um significado exorbitante. E então volto para a minha realidade, que eu sempre busquei e que continuo querendo!

segunda-feira, 23 de outubro de 2006

Pra não perder o costume...

Estou totalmente sem inspiração para escrever. No dia-a-dia da minha vida, viajo em várias situações e até comento: "Isso dá um post em Noites, heim?!?". Mas é só chegar em casa, ligar Paula Cristina que tudo passa e fico sem vontade (ou inspiração) para escrever! Como já tem algum tempo que não posto nada sobre eu mesmo, então vou contar um pouco sobre... Bom, na vida pessoal não tenho muito a dizer, a não ser que estou super tranquilo e vivendo. Meu(s) relacionamento(s) estão legais e "saudáveis" e não tenho nada o que balangar. Estou rodeado (sempre) por pessoas interessantes e boas. Esse final-de-semana mesmo teve uma festinha(?) aqui em casa e o pessoal resolveu fazer uma muqueca de robalo ao molho de camarão. Não curtir muito a idéia, pois não sou muito chegado a peixe não! Evito ao máximo comer. Só em último caso mesmo que como! Enquanto a tal muqueca era feita, ficamos tomando cerveja e conversando. Um amigo trouxe uma garrafa daquela cachaça de Salinas, aquela mesmo que custa US$ 140,00 a garrafa e resolvi experimentar! Não gosto de cachaça (apesar de já ter tomado) e tive que tomar umas 10 doses, afinal de contas estava experimentando... :) E não é que a tal da pinga é boa mesmo! Quando a muqueca ficou pronta, não teve jeito: comi e comi com gosto! Tava muito, mas muito boa mesmo! A típica muqueca capixaba, com pirão, arroz branco e tudo o mais que se tem direito. Rolou até uma salada de alface com queijo parmezão ralado que também ficou um show. E depois da comilança, ainda ficamos conversando e tomando algumas cervejas. E eu ainda experimentando a tal da Salinas. A cachaça realmente é boa...
Bom, voltando a falar da mim, minha vida profissional também está muito bem, obrigado. Apesar de alguns probleminhas me envolvendo que tenho que resolver, do resto está tudo caminhando certo. Novos clientes, novos projetos, novas propostas e a ABC Software prosperando a cada dia que passa. Esse final de ano mesmo estamos de mudança para a nossa nova sede. Agora temos sede própria! Ainda estamos acertando alguns detalhes do novo escritório, mas em breve já estaremos instalados e produzindo a mil por hora. Um detalhe interessante que vale ressaltar por aqui é que estamos incomodando, e muito aos nossos concorrentes. Temos três concorrentes por aqui... Aliás na verdade temos um só, porque o outro não chega a ser tão concorrente assim! E essa semana que passou um cliente desse concorrente nos procurou e após ver o nosso software, o Parceiro, ficou literalmente espantado. Suas palavras foram: "Nossa! Não imaginava que vocês tinham um programa tão bom assim! Tinha uma outra idéia do programa de vocês! Vamos fechar imediatamente." E agora há pouco (via e-mail) fiquei sabendo que o cara do outro programa ficou puto da vida comigo. Confesso que meus olhos brilharam - vi pelo reflexo do monitor :) - ao ler a mensagem e pensei comigo: "Que ótimo que ele tá assim comigo. É bom ele saber que estamos trabalhando e que nosso produto é muito, mas muito melhor que o dele". Estou com minha consciência super tranquila, pois vivemos em uma democracia e isso é nada mais que negócios, não é mesmo? Quem tiver um produto melhor, ganha... Não é como o Banco Imobiliário, onde se joga dados e quem tiver um pouco de sorte ganha (se bem que um pouco de sorte também ajuda nos negócios).
Finalmente, a minha vida pedagógica também está super bem... Estou lecionando um módulo super chato (Lógica de Programação) e recebi alguns e-mails de alunos que, para minha surpresa, estão adorando a matéria. Tenho plena consciência de que o assunto não é tão interessante e procuro sempre torná-lo o mais agradável possível. Quando saio da escola após as aulas, no caminho até a minha casa me imagino como um aluno e questiono: "Se eu fosse um aluno, como eu acharia que foi a minha aula hoje?" e sempre chego a conclusão que foi legal. E para comprovar ainda mais a minha tese, sempre peço um feedback aos coordenadores de curso sobre as avaliações que os alunos fazem ao meu respeito e as mesmas são sempre excelentes.
Concluindo, apesar de tudo está bem, ainda existem pendências e problemas a serem resolvidos! Como diz um amigo, "nem tudo são flores"...
Bom, isso é tudo por enquanto... No mais, tudo está cominhando, a passos curtos, porém firmes...

segunda-feira, 9 de outubro de 2006

Poesias

Quadrilha

(Carlos Drummond de Andrade)

João que amava Teresa que amava Raimundo

que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili

que não amava ninguém.

João foi para os Estados Unidos, Teresa para o convento,

Raimundo morreu de desastre, Maria ficou para tia,

Joaquim suicidou-se e Lili casou com J. Pinto Fernandes

que não tinha entrado na história.


- * -


Estava mais uma vez a navegar sem rumo pela rede mãe quando me deparei com este poema em um fórum de tecnologia (lendo algumas mensagens sobre música digital) e começei a viajar e ter devaneios tolos. Realmente Drummond foi extremamente feliz em escrever sobre os amores e desamores na vida das pessoas. E lembrando um pouco da minha vida passada e presente, pude perceber que isso aí aconteceu e ainda acontece, e muito. Poderia facilmente trocar o João, a Tereza, a Maria e até o Raimundo por nomes que (ainda) constam na minha agenda. E então percebo claramente o passar do tempo, das pessoas e das coisas inacabadas e perdidas que vão ficando pra trás. E isso, de uma certa forma, me deixa um pouco deprimido, pois são tantas coisas que poderiam ter sido feitas e não foram, projetos que não sairam da gaveta e oportunidades que não voltam mais. Mas ao mesmo tempo que fico um pouco down, isso me dá um ânimo para ir em frente e continuar buscando o objetivo que se almeja, seja ele qual for: um carro, uma casa, um computador novo, um som potente, o sucesso profissional ou mesmo o puro e simples amor! Como diz o slogan do Johnnie Walker: "Seja lá quais forem os seus sonhos... Keep walking..."
E é isso que eu vou fazer sempre... Ir em frente, apesar de tudo...

quinta-feira, 5 de outubro de 2006

Estou Apaixonado...

Estava lendo alguns textos sobre players de mp3 quando vi que a Sony, aproveitando do estrondoso sucesso da Apple e seus IPod's, resolveu também entrar nesse promi$$or mercado com um novo player. Pensei comigo: "Já faz um tempinho que não olho o site da Sony!" e lá fui eu dar uma fuçada quando me deparei com essa "belezinha": Foi amor a primeira vista! Segue a descrição dessa "coisinha linda"...

Trata-se do Sony VAIO® UX280P Micro PCVGN-UX280P, um ultra-portátil computador (não é um notebook) que cabe na palma da sua mão! Ainda não se convenceu da maravilha, então saiba você que esse lindinho aí possui um processador Intel® Core™ Solo Processor U1400 trabalhando a 1.20GHz com 2MB L2 Cache! 1 Giga de memória RAM e um HD ATA de 40 Gigas com proteção anti-shock e tudo o mais. Também tem rede sem fio, bluetoth, leitor de cartões de memória, saída e entrada de áudio (dá para ouvir a mais nova música da banda Calypso sem problemas). Mesmo que você não entenda nada disso que eu escrevi aí em cima, saiba então que é praticamente um puta de um computador rodando o Windows XP e pronto para a versão mais top do Windows Vista. Ah, ainda esqueci de dizer que possui integrado uma placa de vídeo (dá pra jogar Paciência ou Campo Minado legal)! Outro detalhe são as câmeras digitais embutidas, uma de 0.3 megapixels frontal para você poder fazer aquela vídeo conferência via MSN e uma de 1.3 megapixels com som para poder capturar tudo que seus ofuscantes olhos poderem ver... Além do teclado padrão Qwerty incorporado, você também usa uma caneta Stylus como mouse para entrada de dados (como num PC de Bolso). Ainda conta com um sistema de segurança via fingerprint (leitura da sua impressão digital, ou seja, só você acessa o seu brinquedo)! E como se não bastasse, você pode (e deve, caso compre um) colocar nele o seu chip GSM da sua operadora de celular (Tim, Oi ou Claro) e navegar na Internet em alta-velocidade via EDGE em qualquer lugar que tiver área de cobertura (e fazer e receber ligações também, tá?)... Lindo não? Babe mais um cadinho:





Pois é amigo, mas nem tudo são flores. A única coisa que eu não gostei foi, pra variar, o preço. Sugerido pela Sony, esta coisa linda e apaixonante pode ser sua por 1.999 Bushes, o que daria em Lula's algo em torno de 5.200, fora os impostos caso você resolva trazê-lo por vias legais !

E eu, e eu continuo (e acho que ainda vou continuar) apaixonado... :)

domingo, 24 de setembro de 2006

Arrumando a casa

Já faz algum tempinho que não escrevo nada por aqui. Os motivos são vários, além da falta de tempo tão natural ultimamente em minha vida, muitas vezes é porque estou sem inspiração mesmo ou então falta de vontade de contar os desatinos que acontecem comigo. Bom, mas hoje resolvir escrever. Acabei de arrumar a casa. Sim, arrumar no sentido de "jogar fora" muita coisa que me acompanhava há bastante tempo. São documentos antigos que não servem para mais nada, extratos bancários velhos, contas de celular de mais de 3 anos, etc. Abri cada gaveta, cada armário, cada pasta e fui me livrando de tudo. E a cada embolada de papel e arremesso para o saco de lixo, uma parte da minha vida "desfilava" em meus pensamentos. Soou mais como uma terapia do que como limpeza mesmo. Pelas contas antigas de celular, pude relembrar alguns acontecimentos pelo horário e pelo número chamado. Pode parecer incrível, mas eu lembro de muitas coisas só pelo horário e pela época: chamadas que ocorriam pelas madrugadas, ligações à cobrar recebidas e a cada conta examinada era uma "corrente" de idéias e lembranças que me vinham... E depois dessa etapa inicial, passei para o guarda-roupa! Roupas que insistia em guardar, sendo que não mais usava, sapatos velhos, bolsas, meias, cuecas... Vai tudo para alguma instituição de caridade! E enquanto eu limpava, começei a viajar que isso faz bem pra gente. Faz bem jogar resquícios do passado fora e só lembrar daquilo que realmente a gente gosta e que vale a pena ser lembrado. Seria ótimo se pudéssemos fazer isso também com a nossa alma. Se pudéssemos "dar um delete" em nossa memória e deixar somente as coisas boas seria muito, mas muito bom mesmo! Apagar mágoas, sentimentos de vingança, choros, etc... Como um trecho da música "Coming Back to Life" do Pink Floyd:

Lá fora a chuva caía escura e devagar // literalmente - :)
Enquanto eu refletia sobre esse perigoso porém irresistível passatempo
Eu fiz um passeio paradisíaco através do nosso silêncio
Eu sabia que o momento havia chegado
De matar o passado e voltar à vida

Agora preciso começar a fazer a mesma limpeza com Paula Cristina e com Jurema... Apagar e-mails antigos, contatos do MSN que não converso mais, arquivos sem uso e fotos antigas que não mais existe razão em estar ocupando preciosos bytes do meu HD... Mas isso fica para um outro momento...

segunda-feira, 11 de setembro de 2006

Dia de Mico Português

Hoje foi o dia do assassinato do português! Não, não estou me referindo ao seu Joaquim da padaria ao lado e sim da nossa tão maltratada língua portuguesa. Tem cada uma que a gente ouve que fico até com medo! Bom, agora há pouco estava pegando Jurema Mobile lá na loja quando entrou um cliente, que também era meu conhecido dizendo que alguém entrou na casa da mãe dele e roubou um "Dell Inspiração"! Dell Inspiração? Ué... Não sabia que a Dell tinha essa linha de notebooks. Só depois é que fui me ligar no lance. O que ele quis dizer era o "Dell Inspire", o que não tem nada haver com inspiração.
Caso mais vergonhoso é de um amigo que tenho que de vez em quando solta algumas pérolas como "nobleique", "bécupis" e "rubs", fora a tal do "conector usbe"!!! E o pior é que eu encontro direto com ele e no meio dos bit's e bytes proferidos, ele sempre fala alguma coisa assim. É uma pena que eu não tenha tanta intimidade para zoar com ele.
Mas o que me levou a escrever isso foi alguém com quem acabei de ter uma reuniãozinha. Estávamos conversando sobre um problema relativo a migração dos dados do programa antigo para o Parceiro. Num dado momento, ele me solta isso:
- Então tá Adilson! Deixa eu ver novamente a nota fiscal e se estiver com o campo nulo mesmo, aí o problema foi na IMIGRAÇÃO dos dados! Caso contrário, foi erro de operação mesmo!
Na hora eu fiquei sério e me segurei muito pra não rir! Quase tive um ataque de riso pela tal da "imigração dos dados"!
Tudo bem que certas coisas ninguém é obrigado a saber, mas isso tem limites, principalmente se tratando de um super adminitrador, que é o caso dele. Depois de tudo isso, penso naquele célebre chavão: "Quem tem um pobrema, na verdade em dois: um de português e um outro qualquer!". E escrever? Vixe, aí o bicho pega! Num próximo post, vou escrever sobre algumas pérolas do MSN e do Orkut.

domingo, 10 de setembro de 2006

Final de Semana Festivo

Esse foi o final-de-semana das festas... Na sexta-feira passada foi meu aniversário e como não poderia deixar passar em branco, fiz um churrasquinho para os amigos aqui em casa! Isso eu já tinha programado há algum tempo, mas como todo bom brasileiro, deixei para acertar tudo na última hora... Terminado meu expediente diário, começei o "trabalho": ligar para o disk cerveja, encomendar as Brahmmas, carvão, etc... Liguei para Wolverine e fomos comprar as carnes para o churrasco! Realmente não tenho tanta noção das coisas e comprei tanto que sobrou carne aqui pra gente comer o resto do mês de setembro. Ainda fui ao supermercado comprar um "ixcóti", vodka e também bacardi para o pessoal das "bebidas quentes"... Chegamos em casa e começei a fazer os preparativos: arrumar o ambiente, preparar o som (rolou um puta datashow - valeu Loquim!!!!). Logo em seguida Tulipa chegou e para iniciar com o pé-direito, tomamos uma Bohemia de trigo... Confesso que o gosto pra mim é igual a de outras cervejas, mas segundo os entendidos, ela é bem melhor... Daí pra frente só foi festa... Os amigos começaram e chegar e então muita coisa aconteceu! Primeiro foi o pau que todo mundo levou para conseguir colocar o DVD Pulse do Pink Floyd para rolar! Era um tal de codec pra lá, ajusta aúdio 5.1 para cá, troca de player aí até que alguém teve a inteligente idéia de pegar um DVD Player mesmo (até então estávamos usando um notebook) e tudo funcionou bem. Pra variar, alguns stresses leves rolaram por conta de não sei quem que não tinha sido convidada e que disse que viria e mais algumas cositas que não vale a pena escrever aqui. Por volta das 5:00 da manhã, já completamente tomado pelo álcool, resolvir me recolher aos meus aposentos. Saí da festa "à francesa" e deixei Klayd "tomando conta" dos convidados...
No outro dia, ainda sobrou quase que 2 grades de cerveja! Aproveitamos que o datashow ainda estava por aqui e o ligamos em Jurema I e novamente fizemos uma puta sessão de vídeo, que iniciou com um David Guilmour que deixou todos literalmente babando! Como tinha carne pra caramba, ainda assamos alguns bifes no Grill George Foremam de Tulipa (aquele que se você ligar agora, você ganha uma super espátula de limpeza e se você ligar nos próximos 10 minutos você também ganha um livro de receitas especialmente preparadas para você - tudo isso inteiramente grátis). E mais um final-de-semana passou... Apesar de ter sido uma semaninha bem complicada, no fim tudo terminou(?) bem! Ah... Não posso deixar de pelo menos comentar sobre o presentinho que eu "me" ganhei... Jurema Mobile arrived... :) Em outro post eu comento as minhas primeiras impressões da minha nova amiga!!!

terça-feira, 5 de setembro de 2006

Para Refletir

... Procure os seus caminhos,
mas não magoe ninguém nessa procura.
Arrependa-se, volte atrás, peça perdão!
Não se acostume com o que não o faz feliz,
revolte-se quando julgar necessário.
Alague seu coração de esperanças,
mas não deixe que ele se afogue nelas.
Se achar que precisa voltar, volte!
Se perceber que precisa seguir, siga!
Se estiver tudo errado, comece novamente.
Se estiver tudo certo, continue.
Se sentir saudades, mate-a.
Se perder um amor, não se perca!
Se o achar, segure-o!

(Fernando Pessoa)

quinta-feira, 31 de agosto de 2006

Apenas...

Dizem que uma imagem vale mais que mil palavras...

quarta-feira, 30 de agosto de 2006

Sentimento Péssimo

Estou me sentindo muito, mas muito mal mesmo! Não me refiro a saúde do corpo e sim da alma. As vezes eu digo coisas as pessoas que não deveria ter dito, mesmo algumas sendo verdades incontestáveis. Mas tem aquela máxima: "As 3 coisas que não voltam atrás: a pedra atirada, a flexa lançada e a palavra dita".
Sinceramente não gostaria mesmo de ter dito o que eu disse, mas na hora, num momento de pura "imbecialidade", eu disse e agora estou me sentido péssimo por isso. Logo depois ainda tive uma oportunidade de voltar e corrigir algumas coisas, mas a droga do meu orgulho falou mais alto e eu não recuei... Pelo contrário, disse as tais coisas horríveis sabendo o quão horríveis eram e sentir um prazer incomensurável em ter dito e notar como a pessoa ficou sem reação e também em ter notado lágrimas escorrendo pela face... Mas depois, já indo embora começei a pensar melhor e aí o sentimento de "a pior pessoa do mundo" começou... Praticamente não consegui fechar os olhos a noite por causa disso e agora estou com isso dentro de mim... Poderia ainda tentar remediar a situação, mas creio que não há como!
Gostaria muito de poder me "desculpar", mas depois de tudo o que eu disse........... :( Realmente eu não conseguiria, pois imagino que esta pessoa jamais vai esquecer e mesmo que aceite as desculpas, isso vai acompanhá-la para sempre! Creio que ela não vai ler isso nunca, mas se algum dia ler, saiba que estou arrependido pra caramba de ter dito aquele monte de asneira pra você. Nada daquilo é verdade... Nada mesmo... E aproveito para dizer:
- Desculpa mesmo, viu? Sei que não vai acreditar, mas é a verdade... Conforme eu te disse, não tenho motivos algum para ocultar nada... Portanto, tenha certeza que isto provém do fundo do coração... Não queria mesmo ter dito aquilo pra você! Foi tudo da boca pra fora, como eu já fiz várias vezes e mais uma vez estou super arrependido do que disse! Mais uma vez: DESCULPE... :~(

" O grande erro de Deus foi não nos ter dado duas chances na vida:
uma para ensaiar e outra para realmente representar! "

terça-feira, 29 de agosto de 2006

Mudanças

Sinceramente, existem coisas (e pessoas) que definitivamente não mudam. Pode passar o tempo que for, pode acontecer de tudo, mas elas não mudam mesmo! E isso apenas me confirma ainda mais aquilo que eu já sei, ou penso que sei. As vezes acho que deveria agir de uma forma diferente, de ser uma pessoa ruím e manter firme certas atitudes que por mais erradas que possam parecer hoje, no futuro serão benéficas. Mas ao mesmo tempo imagino que isso não vai levar a nada. Que no final a coisa toda não é ou não valeu absolutamente nada. E sempre me vem em mente a mensagem "Filtro Solar", mais precisamente no trecho:

...
As vezes se está por cima,
As vezes por baixo,
A peleja é longa e no fim é só você contra você mesmo!
...

Gostaria muito que fosse diferente. Que tudo pudesse ser resolvido da melhor forma possível ou (na melhor das hipóteses) que nada disso estivesse ocorrendo. Mas infelizmente as coisas não são assim do jeito que gostaríamos que fosse e sinto um pesar terrível em ter mãos atadas e não poder fazer nada, a não ser assistir a tudo e ficar desabafando por aqui!

segunda-feira, 28 de agosto de 2006

Pensando...

"Deus é um ator que interpreta para
uma platéia que tem medo de rir!"
Voltaire

Começo esse post com esse comentário de Voltaire. Já conhecia essas palavras há um bom tempo e só por agora é que fui realmente compreender o que elas querem dizer e a cada vez mais me encanto pela filosofia de Voltaire, tão antiga e tão moderna. Bom, para tentar explicar o porque da colocação, deixe-me contar uma história. Mais uma vez usarei metáforas:

"Josecleverson era um apaixonado por sorvete. Ainda criança, após ter experimentado o primeiro (de manga) nunca mais conseguiu ficar sem os saborosos sorvetes. E ao longo da sua infância experimentou diversos sabores: coco, abacaxi, graviola, pêssego, maracujá. E a cada novo sabor descoberto sua paixão crescia mais e mais. E Josecleverson chegou a sua adolescência e o seu encantamento pelos maravilhosos sorvetes continuava a um ponto dele deixar de fazer qualquer coisa só pelo simples prazer de saborear um delicioso sorvete, seja ele de qual sabor fosse, uva, banana, tangirina, laranja ou mesmo o azedo limão. Quantas vezes Josecleverson enganava os amigos com alguma desculpa para não ir a um bar com eles só para ir a uma sorveteria. Quando arranjou um emprego, Josecleverson sempre dava um jeitinho de sair rapidamente do trabalho para ir comprar sorvetes. Contam que certa vez teve um sério problema com seu gerente e quase foi despedido pelo simples fato de não resistir aos maravilhosos sorvetes. Um dia, na sua sorveteria preferida, Josecleverson conhece Rosinha e foi um encanto (pra não dizer amor) a primeira vista. Os dois se conheceram de uma maneira simples no balcão. Iniciaram uma interessante(?) conversa sobre sabores prediletos e qual era, na opinião de cada um deles, o mais gostoso. Rosinha também gostava de sorvetes, mas não com o mesmo ímpeto de Josecleverson. Mesmo assim, os dois iniciaram um bonito relacionamento, que se transformou em algo mais forte e concreto. E por diversas vezes o programa preferido deles era ir na tal sorveteria se deliciarem com vários sorvetes. Saiam com os amigos e iam para outros lugares, mas sempre terminavam o dia (ou a noite) na sorveteria. O tempo foi passando e o gosto de Josecleverson por sorvetes continuava grande e o mesmo não podia ser dito de Rosinha, que apenas acompanhava o rapaz porque "estava" com ele. O tempo continuava a passar e os dois continuavam juntos. Mesmo com todas as desavenças temporárias, tentavam levar um vida felizes. Para Josecleverson, podia faltar tudo na sua vida, menos os deliciosos sorvetes. Praticamente todos os dias Josecleverson ainda tomava seus sorvetes até que Rosinha, de uma certa forma, começou a não mais gostar e só acompanhava o parceiro porque "estava com ele". E com o passar dos momentos, Rosinha não mais o acompanhou, porque realmente não gostava mais de sorvetes. E a paixão de Josecleverson ainda continuava, como criança, quando experimentou pela primeira vez o sorvete de manga. A partir desse momento, Joseclerveson não mais podia tomar sorvetes com Rosinha ou sequer falar sem sorvetes perto da moça, que era imediatamente criticado. E mesmo assim, Josecleverson mantinha sua fidelidade aos deleciosos sorvetes. Um dia, ao ir escondido de Rosinha na sorveteria, Josecleverson foi atendimento por Margarida, uma nova atendente. Ao pedir um sabor que sempre pedira, foi aconselhado a experimentar um outro. E gostou muito! E assim Josecleverson começa a descobrir novos tipos de sorvetes junto com a moça, que na verdade era a filha do sorveteiro. A cada visita, era uma alegria só, pois tal como Josecleverson, Margarida também gostava muito de sorvetes e os dois começaram a ter uma certa simpatia. E Josecleverson começou a pensar que Margarida sim, era a pessoa certa para estar com ele e não Rosinha! Rosinha podia até ser mais encantadora, mas Margarida era mais maravilhosa, além de gostar muito de sorvetes. E assim Josecleverson coloca um ponto final no seu relacionamento com Rosinha e inicia um intenso romance com Margarida. Tudo seguia o destino da melhor forma possível: Josecleverson com Margarida e os deleciosos sorvetes, que eram saboreados todos os dias com uma volúpia invejável por qualquer um que olhassem aqueles três. Praticamente todos os momentos eram acompanhados, maravilhados e deliciados com sovertes. Mas aí o que era improvável aconteceu: de tanto tomar sorvete Josecleverson começou a enjoar. Ainda gostava muito, mas não com a mesma intensidade e já chegou ao ponto de negar um pedido de Margarida para experimentarem um delicioso e novo sabor. Enquanto estava só ou mesmo acompanhado por Rosinha e não tinha tantos sorvetes próximos, a paixão de Josecleverson só aumentava. Mas só foi ele ter muito sorvete para descobrir que não gostava mais tanto assim! A vida tem mesmo dessas coisas!"

quarta-feira, 23 de agosto de 2006

Ninguém em Casa

Já faz algum tempinho que não posto nada relacionado a música. Já comentei em um outro post que muitas vezes "viajo" em algumas músicas e em como elas refletem nosso estado de espírito. Bom, atualmente a mais tocada e a mais "haver" do momento é "Nobody Home" do Pink Floyd! Já coloquei a letra traduzida aí embaixo (para aqueles que estão com as mensalidades atrasadas no Yágizi ou no CCAA)! Uma dica: a versão de Roger Waters no show "The Wall Live At Berlim" é um clássico! A forma como que ele interpreta é como eu gostaria que você entendesse e compreendesse.

Ninguém em casa
(Roger Waters/David Gilmour)

Eu tenho um pequeno livro preto
Com meus poemas dentro dele
Eu tenho uma bolsa com uma escova de dente
E um pente dentro dela
Quando eu sou um cachorro bonzinho
Ás vezes eles me jogam um osso
Eu tenho fitas elásticas que mantêm meus sapatos amarrados
Tenho aquelas vaidosas mãos azuis.
Tenho treze canais de merda na TV para escolher
Eu tenho luz elétrica
E eu tenho intuição
Eu tenho surpreendentes poderes de observação
E isto é o que eu sei
Quando eu tentar conversar
No telefone com você
Não haverá ninguém em casa
Eu tenho o obrigatório cabelo permanente de Hendrix
E eu tenho as inevitáveis queimaduras de alfinete
Todas debaixo da minha camisa de cetim favorita
Eu tenho mancha de nicotina nos meus dedos
Eu tenho uma colher prateada numa corrente
Eu tenho um grande piano para sustentar meus restos mortais
Eu tenho olhos selvagens
Eu tenho um forte desejo de voar
Mas eu não tenho para onde voar
Ooooh Baby quando eu pegar o telefone
Ainda assim não haverá ninguém em casa
Eu tenho um par de botas Gohills
E eu tenho raízes enfraquecidas.

Ps.: Apesar de ter sido feita num passado bem remoto, tá atualizadíssima... Troco apenas algumas palavras ou deixo em metáforas mesmo e fica "da época" ou do momento...

sábado, 19 de agosto de 2006

Devaneios Tolos

Esses dias atrás, ouvindo uma rádio nacional on-line, começou a tocar a música Chão de Giz de Zé Ramalho e o trecho "Há meros devaneios tolos a me torturar" me chamou a atenção para alguns episódios que ocorreram recentemente nessa minha conturbada existência planetária. De fato, diversos devaneios tolos acontecem no meu dia-a-dia. São pensamentos que ocorrem por um acaso em momentos que não tem nada haver. Estou em pleno pique de trabalho atendendo um cliente, por exemplo, e me pego tendo recordações passadas, imaginando como seria num presente! Deixa eu explicar isso melhor citando um exemplo: quando eu era um adolescente, tive um efêmero caso com alguém. Nada mais que alguns beijos e amassos! Bom, essa pessoa partiu para o norte e eu para o sul e nunca mais nos vimos. Qual não foi a minha surpresa ao receber numa enfadonha tarde de terça-feira um telefonema dessa pessoa, depois de quase 14 anos sem ter notícias - é... estou ficando velho :) . Conversamos bastante e ficou um clima de reecontro no ar! Não que alguma coisa VAI ou DEVE acontencer. Então, de vez em quando, me imagino com essa pessoa e fico a divagar em como seria. Certo, isso é uma coisa normal na vida da gente! Mas se fosse apenas UM, tudo bem, mas são vários envolvendo diversas pessoas, fatos e situações. E ao mesmo tempo que acho isso normal, acho também que é paranóia minha... E ouvindo a música do saudoso Zé, começei a entender (e também a perceber) certas coisas e cheguei a conclusões mirabolantes! De repente é a situação que me encontro, ou então o momento que estou passando, enfim, está diretamente ligado aos mais profundos anseios e desejos do coração e da alma! Isso sim, é uma certeza...

segunda-feira, 14 de agosto de 2006

Filmes Pornôs

Nota do Autor: os links citados no post remetem a sites com conteúdo adulto. Entre por sua conta e risco. Apenas cito os mesmos para referências e também para enriquecer mais o conteúdo!

Vou comentar sobre um tema que, como diz meu amigo John Player Special, é meio polêmico: filmes pornôs. É incrível que, mesmo estando em pleno ano 2006 e as pessoas dizendo que possuem "cabeças abertas", ainda existe uma grande discriminação (ou vergonha) por esse gênero de filme. Não vou negar que gosto de filmes pornôs e sempre que comento com alguém que tenho uma coleção de dar inveja, as pessoas ficam meio que "sem entender"! Não tenho receio algum em dizer isso! Na hora que comento, principalmente numa conversa em um grupo, não é raro alguém chegar depois meio em off e me perguntar se não posso "fazer uma cópia" ou então se posso "emprestar uns dois"! Tudo isso porque (eu acho) sempre se taxou de feio e pervertido esses tipos de filmes. Nas décadas passadas devem ter achado mesmo! Inclusive eu li certa vez uma reportagem que comentava a importância dos filmes pornôs na vida de algumas pessoas. Casais que estavam em crises matrimoniais e tiveram seus casamentos salvos pelos obcenos filmes eróticos que, digamos assim, "apimentou" mais a relação! :)
Tenho um amigo que também gosta muito, mas pra ele pegar um filme pornô numa locadora é uma novela. Ele entra, fica olhando os dramas, aventuras, comédias e quando ninguém percebe ou está olhando, ele entra no espaço reservado a pornografia, passa os filmes rapidamente, escolhe um pela capa (o que é péssimo) e volta rapidinho para olhar os dramas, aventuras, comédias, etc... Certa vez fui com ele e não pude deixar de dar boas gargalhadas quando eu comentava lá de dentro da seção:
- Fulano, olha só... Aquela atriz fez um filme novo... Ela tá loira agora... hahahaha
- Nossa fulano!!! Tem a série toda da tal produtora aqui que você gosta!
E ele vermelho que nem um pimentão maduro e dava aqueles risinhos sem graça! E eu? Na maior tranquilidade e ainda pedia opinião para o pessoal da locadora se o filme é mesmo bom, se tem sido muito locado, etc... Como já disse anteriormente, não tenho receio algum de dizer que gosto, que coleciono e que assisto a filmes eróticos/pornográficos... Só que a minha coleção é bem seleta. Apesar de já ter visto (quase) tudo, compro apenas aqueles que realmente são obras de arte do cinema pornô. Nada daqueles filmes horríveis nacionais. A começar pela produtora. A Private é uma das melhores que existem e possui excelentes filmes e uma gama de atrizes fantásticas, como o furacão Silvia Saint, a famosa Sophie Evans e a bela Tania Russof, dentre várias - é só entrar no site e dar uma pequena olhada ;) ! Num passado não tão remoto, a Private fez uma parceria com a clássica Penthouse no que foi chamado na época de "Globalização Erótica" e lançou uma série de filmes maravilhosos, de alto nível com elencos caríssimos e produções milionárias. Filmes como Fashion (esse tem uma cena com Claudia Jamsson no início de carreira que eu catalogo como uma das melhores - :) hehehe) ou mesmo Axé Devasso (filmado no Brasil) são produções que venderam (e ainda vendem) bastante mesmo e faturaram bilhões para os cofres da Private. Mesmo sendo filmes pornográficos (com o mesmo objetivo - sexo), você percebe claramente quando está assistindo o cuidado em cada detalhe: o cenário, os atores, o jogo de câmera, a forma de mostrar os atores em ação, enfim, uma típica produção a la Spieldberg! Falando em Spielberg, não posso deixar de comentar sobre dois diretores que são conhecidos como os "Spielberg's do cinema pornô": um é o italiano Antônio Adamo e o outro é Kovi (não consegui descobrir a sua nacionalidade)! Os dois são os melhores. Se estiver procurando um bom filme pornô para assistir, procure por títulos desses caras e você vai saber do que estou falando!

quinta-feira, 10 de agosto de 2006

Sangue Doce

Definitivamente eu tenho mesmo sangue doce para bêbedos e pessoas malucas. Agora há pouco saí do escritório para ir "jogar" alguma coisa para o estômago. Como todo mundo por aqui está viajando e estou sozinho, tinha que ser algo rápido. Fui a um self-service aqui perto e por sorte não havia ninguém conhecido. Digo isso porque é normal encontrar pessoas amigas e/ou conhecidas e ter que parar e iniciar aquela típica conversa de almoço:
- Nossa... Como tá quente né?
- E aí? Tá sumido, heim?
- Oi Adilson! Senta aqui comigo...
E aí a conversa (e o almoço) se estende muito... Mais pela conversa do que pela comida em si! Bom, mas fiz o meu prato, pedi um suco de laranja (sem açúcar) e me sentei numa mesinha no canto. Ao dar a primeira garfada, sinto uma mão me cutucando pelas costas. Olhei para ver e uma senhora aparentando uns 60 ou 70 anos que também acabara de sentar me diz:
- Sabe, tenho uma amiga que mora aqui em Linhares e ela diz que os homens aqui são todos mal-educados...
Eu fiquei ali, meio que sem saber o que dizer. Eu esperava que ela fosse dizer qualquer coisa, menos isso... E a senhora continuou dizendo (e agora comendo também):
- Ela me disse que os homens daqui sentam em restaurantes e colocam o pé em cima da mesa e que comem de uma maneira feia e blá... blá... blá...
E continou a dizer aquilo tudo e mastigando e entre uma frase e outra dava uma garfada e eu ali, atônico, ouvindo aquilo tudo e pensei com meus botões:
- Putz! Era tudo que eu NÃO precisava... Queria um almoço rápido e tranquilo e agora acho uma doida...
E a senhora continuava a falar, até que não resistiu, pegou o seu prato e sentou ao meu lado! É isso mesmo! Sentou ao meu lado e começou a comer ali comigo, como se fossemos velhos e bons conhecidos... Eu me limitava a ouví-la falar e de vez em quando eu emitia algum som do tipo "hum... hum..." ou então "Sim..."!
- Eu não moro aqui não - continuava ela a falar - Sou do Mato Grosso e estou somente de passagem. Mas acho que minha amiga está errada... Estou olhando as pessoas aqui e até percebi que você também come bem certinho - É... Ela não me conhece mesmo! :) - E estou vendo que todos são bem educados e comem direitinho...
O resultado foi que passei o meu almoço inteiro ouvindo as impressões daquela senhora sobre os homens de Linhares. Quando eu acabara de comer, disse a ela que precisa ir, pois já estava atrasado para um compromisso e ela me disse:
- Foi bom ter sentado aqui com você... Eu tenho um filho que não vejo ha muito tempo e ele se parece muito com você! Enquanto eu falava e você comia, eu imaginava que estava com meu filho na mesa. E me senti melhor...
Mais uma vez isso me deixou de cara! Então na verdade o papo dos "homens mal-educados de Linhares" era só um caô para ela se sentar ao meu lado e matar a saudade do filho. Fiquei mais uma vez ali parado igual a um valete de copas sem saber o que dizer! Ela se levantou, me deu um abraço e proferiu: "Bom trabalho e que Deus te acompanhe sempre..."
Levantei da mesa, paguei a conta e saí meio que "bobo" e ao mesmo tempo com um sorriso no rosto. Crieio que ganhei o meu dia! São nas pequenas coisas do dia-a-dia que gente descobre que pode ser feliz e que também pode fazer outras pessoas felizes! :)

domingo, 30 de julho de 2006

FDD - Log de Viagem

Sexta-Feira, 28 de Julho de 2006 - A Viagem

Linhares - 06:00 AM
Saímos de Linhares com destino a Piracicaba, São Paulo para participar do Firebird Developers Day! A viagem foi tranquila até Vitória. Só paramos uma vez para abastecimento em Ibiraçú, pois a gasolina é mais barata por lá. Não houve incidente algum nesse trajeto, exceto por Senador balangando comigo "para ir mais rápido, senão perderíamos o voô".

Vitória - 09:10 AM
Estávamos devidamente instalados e acomodados no voô 4799 da Gol com destino a Congonhas, São Paulo. Mesmo sendo tranquilo, não tem como a gente não ficar apreensivo na decolagem do boing, mas foi tudo maravilhosamente bem. Também (graças a Deus) não houve incidente algum, exceto algumas pequenas turbulências, que são normais nesses tipos de viagens!

Aeroporto de Congonhas - 10:20 AM
Já com os dois pés no chão (ufa!) e depois de ter avisado a famílias/namoradas/parentes que já estávamos em Sampa e ter tomado um delicioso café expresso, começamos a dicidir o que faríamos: se iríamos de Táxi para o Terminal Rodoviário Tietê e ir de buzão para Piracicaba ou então alugar um carro! Fomos até as locadoras e começamos a fazer uma "pesquisa" de preços, custos e benefícios. Chegamos a conclusão que realmente deveríamos alugar um carro, pois ficaria mais barato, além da praticidade em mobilidade que teríamos. Conseguimos alugar um carro e também reservamos um quarto num hotel próximo ao aeroporto, pois retornaríamos no próximo dia à noite e não iríamos ficar igual a dois valetes de copas a noite inteira lá.

São Paulo - 11:30 AM
Já a bordo de um Celta Azul 2006 com placa de Palmas - Tocantins, começa de fato a primeira parte da aventura. E agora? Como chegar a Piracicaba? Conversamos com o pessoal da locadora e eles criaram um roteiro que, segundo eles, "era infalível" e não tinha como errar. O fato foi que tentamos seguir o mesmo. O resultado foi que estávamos indo para um lugar completamente diferente do que queríamos e a cada informação solicitada aos amigáveis paulistas, era um tal de "Marginal Tietê" pra lá, "Rodovia dos Bandeirantes" pra cá, que teríamos que chegar a Rodovia Anhaguera, enfim, quanto mais informações pedíamos, mas perdido a gente ficava. Quem dirigia o carro era Senador e em dados momentos eu vi ele louco, com a boca entre-aberta e o beição seco! Logo ele que sempre "planeja tudo" nos mínimos detalhes se via completamente perdido em plena São Paulo! E aquele "muvucão" de carros indo e vindo, caminhões buzinando e motoboys tirando tinta do nosso carro! Uma verdadeira loucura! :) Até que num "farol", perguntamos a um motorista de caminhão se estávamos no caminho certo para a Rodovia Anhaguera ele disse: "- Me segue que estou indo para lá também!"... A partir daí foi só alegria! Em diversos momentos, Senador comentava: "- Deveríamos ter comprado um mapa!!! Atravessamos Brasília inteira com um mapa na mão sem problemas!" e eu sempre proferia: - "Certo... Certo... Certo..."! :)

Osasco - São Paulo - 13:30 PM
Bom, já na rodovia correta e após se certificar umas 5 vezes que realmente estávamos no caminho certo, resolvemos parar para almoçar. São Paulo tem diversos, muitos, vários bons restaurantes e Senador escolheu um que era uma parada de carreteiros. Nada contra o lugar, exceto pela sujeira nas mesas e cadeiras. A comida até que era boa e barata para os padrões que estávamos acostumados. Comemos bem... Eu optei por coisas mais leves, mas Senador entrou fundo no churrascão mesmo e comeu até carne de Javali, que segundo ele, "é meio diferente"...
Daí em diante, seguimos a Rodovia Anhaguera, que por sinal é excelente... Existem trechos que tem até 4 pistas e a velocidade média permitida é de 110 Km/h, o que fez com que adiantássemos bem a viagem... O lado ruím é que a rodovia foi privatizada e você paga em média R$ 5,00 de pedágio. De São Paulo a Piracicaba passamos em 3! Passamos também por várias cidades e ficamos "de cara"! Quem não conhece imagina as cidades do interior de São Paulo são pequenas... Lerdo engano... A maioria das cidades são muito bem desenvolvidas... Campinas então é muito, mas muito grande mesmo! Sumaré e Jundiaí também são enormes.

Campinas - São Paulo - 16:30
Fizemos uma segunda parada numa lanchonete para chicletes/cigarros/bebidas, etc... Essa já era um pouco diferente da última que paramos, para almoçar... Pouco não, muito diferente... Diversas "coisas" que não somos acostumados a ver, como pães, biscoitos, doces me encheram os olhos! Só tomei mesmo um suco de Acerola que estava horrível! Parecia aqueles "Q-Suc", no envelopezinho pequeno! Na saída do local, ainda perguntamos a um coroa estilo Hippie numa Harley Davidson se estávamos no caminho certo (mais uma vez) para Piracicaba... O coroa foi bem simpático e confirmou que sim! Foi a partir daí que também começamos a ouvir aquele sotaque inconfundível do inteiror paulista, que "força" o erre no final das palavras... hehehehe :)
Mais uns 50 Kilômetros à frente, saímos da Rodovia Anhaguera e pegamos uma rodovia para Piracicaba... Daí foi só acompanhar as placas e pouco menos de 1 hora já estávamos chegando na cidade do evento!!! Ufa... Chegamos.....

Piracicaba - São Paulo - 17:45
Próxima etapa, achar o tal do Bristol Center, onde tínhamos uma reserva! Logo na chegada, paramos num barzinho em frente a um posto em obras (esse posto foi fundamental pra gente mais tarde) e fomos perguntar ao barmam como chegar ao hotel! Cara, ele nem sabia da existência desse hotel na cidade. Mais a frente, perguntamos a um gordinho em sua caminhada de fim-de-tarde e ele explicou muito bem pra nós onde ficava o Bristol. Seguimos o seu roteiro, passamos em frente ao lugar e continuamos... Não vimos nada... Perguntando a um vendedor ambulante: "- Volta dois quarteirões aí que vocês passaram em frente!". Contornamos a quadra, e voltamos. Menos de 5 minutos depois, já estámos na repecção do hotel preenchendo os documentos necessários para a hospedagem... Nesse momento vale ressaltar as "perguntas" que Senador fez a atendente!!! Prefiro não citar, pois ele pode não gostar muito... :)

Piracicaba - São Paulo - Bristol Center - 18:20
O hotel era maravilhoso. O flat reservado era sencional. Muito bem decorado e muito bem arrumado. Da varanda do hotel podíamos ver uma parte de Piracicaba e mais uma vez constatamos o tamanho do lugar... Muito grande e também muito bem desenvolvido. Deitamos um pouco para descansar da "longa viagem"! Pelo Google Earth deu 964,88 Km (em linhas retas), mas creio devemos ter andado mesmo uns 1.300 Km, visto as "shits" feitas em São Paulo capital.



Piracicaba - São Paulo - 19:30
Resolvemos dar uma volta na cidade para jantar e também para já descobrir aonde era a UNIMEP, local do evento! Assim, no outro dia, já poderíamos ir direto e sem complicações. Mais algumas informações e seguimos para a famosa Rodovia do Açúcar. Passamos por alguns lugares e vimos uma placa "UNIMEP 6 KM"! Agora sim, tudo certo! Já sabíamos como chegar a UNIMEP... Agora deveríamos pegar um contorno e voltar pelo mesmo lugar, certo? Sim, era o que deveríamos ter feito, mas EU ví uma placa "PIRACICABA - CENTRO" e proferir para Senador: "- Aí... Entra aqui logo que vai dar no centro!" Entramos por esse caminho e de fato fomos parar no centro de Piracibaca! O que fomos descobrir logo em seguinda é que o centro de Piracicaba é gigantesco e, mais uma vez, nos perdemos pela cidade! Anda pra lá, vira aqui, pergunta ali, se informa lá e nada... Roda, anda, vira, curva, volta e nada... Pára numa farmácia, pede informação, roda mais e mais e continuamos literalmente perdidos! Aí me lembrei que da varanda do Bristol eu tinha visto uma placa do Mc'Donalds e então começamos a procurar o mesmo! Achando o Mc'Donalds, seria mais fácil achar o hotel. E roda e roda e roda atrás do tal do Mc'Donalds e nada... Paramos num posto para pedir informação e fomos descobrir que lá em Piracicaba, além da loja no Shopping, existia mais 2 Mc'Donalds pela cidade... Putz! E agora? Pegamos mais informações no posto! Vira ali, volta por aqui, segue reto até um trevo, contorna o mesmo, vai em frente... Roda, roda, roda e nada... E isso tudo com Senador balangando: "- Tá vendo? Você é f*d*! Deveríamos ter voltado pelo mesmo caminho e blá blá blá..."! Até que, subitamente eu vi o tal do posto em obras que tinha visto quando chegamos... Finalmente, achamos a rua certa para entrar! Entramos por ele e aí então achamos o caminho... Um pouco a frente, passamos por um lugar que já tínhamos cruzado várias vezes! " - Que m*rd*... Passamos várias vezes por aqui e não percebemos que era a avenida pela qual chegamos...". Lamentamos várias vezes do ocorrido e voltamos para o hotel. Chegando lá, pedimos informação de uma boa Pizzaria e nos indicaram uma praticamente ao lado do hotel. Rapidamente fomos até lá e comemos um maravilhoso rodízio de pizza! Cara, aquilo que é pizza, não essa massa horrível que servem aqui com um monte de coisa em cima... Detonamos uns 10 pedaços de pizza cada um de tudo quanto é sabor e voltamos felizes e satisfeitos para o hotel. Banho tomado e fomos dormir. Antes disso, ainda conhecemos 3 pessoas que também eram do Espírito Santo, de Vitória e um deles me reconheceu na hora!!! :) Ele já tinha morado em Linhares e trabalhado na mesma escola em que eu lecionava...


Sábado, 29 de Julho de 2006 - O Evento

Piracicaba - São Paulo - 07:30 AM
Acordamos por volta das 7:30, descemos e tomamos um farto café da manhã no hotel. Podemos perceber várias pessoas que também estavam ali para o evento. É aquela história: programadores e analistas conhecem outros da espécie só de olhar! Pela forma como um deles usava avidamente seu PocketPC, percebe-se o que fazem e em que trabalham... Fomos dali direto para a Unimep e chegamos por volta das 8:30! Fomos ao credenciamento, pegamos nossos crachás e ficamos por ali, em frente aos teatros conversando com outros participantes! Conhecemos também o Cantu! Carlos Cantu é o cara que organiza o evento. Aproveitei e perguntei: "Cantu, você mora aqui em Piracicaba?" Ele confirmou que sim e então entendi por que o evento é ali! Fica meio fora-de-mão pra quem vem de longe, como nós e até outras pessoas! Mas pelo fato dele morar ali e também pela facilidade em consegui a estrutura para o evento fazem com que o FDD sempre aconteça em Piracicaba. Bom, ainda ficamos ali visitanto alguns stand's e pegando materiais promocionais (folders, blocos, canetas, mouse-pads, etc)! No stand da Borland (na verdade era uma empresa representando a Borland) preenchemos um cadastro pra participar de um sorteio do Delphi 2006 no final do evento. Ficamos mais um tempo ali e fomos para o teatro principal, onde aconteceria a abertura oficial do FDD. Carlos Cantu abriu o evento já com uma notícia muito ruím, que deixou várias pessoas tristes. Ann Harrison, uma verdadeira sumidade em Firebird, tinha sido deportada do Brasil para o EUA! Segundo ele, havia um problema com o visto dela e a Polícia Federal não deixou ela nem dar um telefonema. Uma tremenda de uma sacanagem... Mas tudo bem, havia outros palestrantes e o dia prometia ser bem agitado.

Piracicaba - São Paulo - Unimep - 09:00 AM

Como haveria várias paletras simultâneas, eu e Senador resolvemos que um assistiria uma palestra enquanto que o outro iria em outra... Assim, depois, poderíamos conversar sobre o que vimos e trocar informações. Fui para "Produtividade com Firebird e Ferramentas da Microsoft", palestra ministrada por Emerson Facunte enquanto que Senador foi assistir "Firebird e Datawarehouse", ministrada por José Alberto Rodrigues Filho. A palestra de Emerson Facunte foi bem interessante e muito bem apresentada. Ele falou de algumas ferramentas da Microsoft, como o C# Express e nos moutrou outros horizontes. Diversas vezes ele questionva a platéia sobre assuntos relacionados a desenvolvimento! Isso deixou a palestra bem animada e muito interativa. Logo em seguida, fui assistir "Delphi e Firebird - Velocidade, Segurança e Disponibilidade", ministrada por Bruno Lichot, "o cara da Borland", como era chamado pelo povo. Senador foi assistir "Novidades do Firebird 2.0", ministrada por Alexandre Benson Smith. Novamente, a palestra com o "cara da Borland" foi muito produtiva. Foi nos apresentado algumas soluções envolvendo o Delphi 2006 e o Firebird numa aplicação 3 camadas e mais diversas informações. Em seguida, eu e Senador fomos assistir "Técnicas Avançadas com o IB-Expert", ministrada pelo alemão Holger Klemt, presidente da HK Software! Para quem não conhece, o IB-Expert é uma super ferramenta para administração de bancos Firebird. E usando a sua própria ferramenta, ele nos apresentou vários recursos da nova versão, além de técnicas de uso da mesma para explorar ao máximo o Firebird.

Piracicaba - São Paulo - Unimep - 13:00 PM
Pausa para o almoço! Almoçamos dentro do campus universitário mesmo! Apesar de achar que o restaurante não se preparou para receber tanta gente, a comida não estava ruím... Confesso que já comi coisas melhores, mas se o lançe era matar a fome mesmo, então estava tudo certo! Mais uma vez Senador comeu numa velocidade incrível! Eu estava na metade do meu prato e ele já havia terminado. Saímos do restaurante e voltamos para o teatro e ficamos ali conversando com as pessoas das mais longícuas regiões do Brasil! Gente do Paraná, de Brasília, da Bahia e os assuntos eram os mais variados: de Delphi a SQL! :) Era muito bom ver, ouvir e conversar com tanta gente sobre algo que você gosta. Era "Select" pra lá, "ClienteDataSet" para cá, conexão com o banco, formas de melhorar a produtividade, componentes utilizados, etc... Só por isso a viagem e o evento já valeram a pena...

Piracicaba - São Paulo - Unimep - 14:30 PM
Recomeçam as palestras. Fomos assistir "Segurança no Firebird", ministrada por Luiz Paulo O. Santos e a gama de informações ministradas também foi excelente! Podemos descobrir e nos informar de diversas ferramentas para tornar o Firebird mais seguro e também evitar dores de cabeça. Logo em seguida, veio a paletra "Corrupção em Banco de Dados: tipos, razões e reparação", ministrada pelo russo Alexey Kovyazin. O palestrante me pareceu um excelente conhecedor do Firebird e uma coisa legal que ele fez foi fazer uma analogia de um banco de dados com o corpo humano. Mostrou diversos detalhes do porque acontecem corrupções em bancos de dados. Também falou das ferramentas de reparação que sua empresa desenvolve, a IBSurgeon!

Piracicaba - São Paulo - Unimep - 17:00 PM
Mais uma pausa para o Coffee Break e fomos brindados com um buffet de salgadinhos, pães, refrigerantes e mais uma vez, muito papo sobre Firebird, Delphi, SQL, técnicas de programação, etc...

Piracicaba - São Paulo - Unimep - 17:30 PM
Depois veio o alemão Holger Klemt novamente falando sobre "Performance e Gargalos no Firebird"! Na minha humilde opinião, essa foi a melhor palestra! O cara mostrou alguns recursos da nova versão do Firebird, mais precisamente sobre performance e creio que todo mundo ficou de cara!!! Exemplos foram mostrados e a cada resultado o pessoal ficava eufórico. Informações realmente úteis que ajudam muito os desenvolvedores foram apresentadas.
Finalmente, veio o encerramento oficial e o sorteio de brindes. Detalhe: o sorteio era feito por um programinha em Delphi desenvolvido pelo Cantu e em dado momento, houve um erro no programa e a platéia caiu no pé do Cantu! Foi muito legal... Como eu nunca ganho nada em sorteios mesmo, a torcida ficou para Senador ganhar alguma coisa! Não preciso nem dizer que o cara é um pé-frio também... Não ganhamos nada! Quer dizer, ganhamos sim: CONHECIMENTO! E isso é o que realmente importa...

Piracicaba - São Paulo - Unimep - 19:45 PM
Novamente pegamos a Rodovia Anhaguera com destino a São Paulo. Pegamos a estrada errada novamente, voltamos um pouco para Piracicaba e quando percebemos o equívoco, já estávamos novamente chegando a cidade! Demos meia volta e seguimos (agora na estrada certa) rumo a Sampa. O retorno foi mais tranquilo, pois a noite já não tinha tanto tráfego e a velocidade se mantinha constante em 110 Km/h! O problema novamente veio a acontecer quando estávamos chegando a São Paulo. Precisávamos chegar ao Aeroporto antes das 10:30, pois era o horário que a locadora fechava. Tínhamos que entregar o carro, para poder no outro dia embarcar cedo. Paramos numa lanchonete tipo uma "Pamonharia" que tinha tudo que você podia imaginar envolvendo milho. De bolo a suco! Enquanto eu comia um bolinho de carne e tomava um suco horrível de laranja, Senador novamente questionava os presentes informando que queríamos ir para Congonhas e novamente várias explicações eram dadas. Saímos dali, pegamos a Marginal Tietê e fomos em frente. Nenhuma placa, nenhuma informação indicava para onde deveríamos seguir. Paramos novamente em um posto e estava um frio desgraçado! Pelos termômetros da cidade, a temperatura estava batendo na casa dos 13 graus. Pegamos mais uma informação no posto e deveríamos passar, segundo as frentistas (era só mulher), três viadutos e antes de passar o quarto, deveríamos quebrar para a direita e seguir em frente! Não preciso nem dizer que fizemos tudo o que elas falaram e nada! Mais a frente, paramos em outro posto e novas informações e novamente perdidos. E agora ainda tínhamos o tempo contra nós! Num dado momento, Senador pegou uma rua super escura... "Danou-se!!!" Pensei com meus botões. Paramos numa lanchonete meio fundo de quintal e pegamos uma informação que foi mais ou menos correta. Mais uma vez, percebi Senador louco no volante. Pensávamos que o trânsito estaria mais tranquilo. Só que São Paulo não pára e novamente aquela confusão toda. Até que finalmente conseguimos achar a Rua 23 de Maio, que é a do Aeroporto. Mas antes disso, Senador fez uma manobra num dado momento que dessa vez eu fui a loucura... Ele também pirou comigo, porque ele disse que "sabia o que estava fazendo!". Passado isso, foi só seguir em frente e conseguimos chegar até a locadora. Entregamos o carro e partimos para o Aeroporto para o acerto final no escritório da agência. Depois partimos num frio danado em direção ao hotel que tínhamos reservado na chegada. Chegamos, se hospedamos, tomamos um bom banho quente (pelo menos o tal do hotel tinha um bom chuveiro) e nos entregamos aos braços de morpheu.

Domingo, 30 de Julho de 2006 - O Retorno

São Paulo - Hotel Congonhas - 05:00 AM
O interfone do hotel toca informando que estava na hora de acordar. Assim o fizemos, se arrumamos (eu num frio danado) e partimos para o Aeroporto.

São Paulo - Aeroporto - 06:20 AM
A bordo do voô 4199 da Gol, partimos para Vitória. O voô foi super tranquilo! Vim conversando animadamente com uma senhora, professora aposentada da Ufes (não sei o nome dela) sobre as casualidades da vida. Uma senhora muito simpática e com uma excelente conversa. Chegamos a Vitória por volta de 7:40 da manhã.

Vitória - Aeroporto - 07:40 AM
Após ligar para o meu grande amigo Animal de Chifre, fomos para sua casa, onde fomos muito bem recebidos e até tomamos um café da manhã!

Vitória - Casa do Animal - 09:00 AM
Saímos de Vitória com destino a Linhares. Na viagem fomos conversando sobre o evento e relembrando os "melhores momentos"...

Linhares - Minha Casa - 11:40 AM
Finalmente, chego em casa sã e salvo! :)

Considerações Finais

Mesmo com todos os contratempos, creio que a FDD foi muito bom para nós. Tivemos um dia inteiramente de informações sobre a nossa principal ferramenta de trabalho. Além disso, os contatos que tivemos com outras empresas e outros desenvolvedores também foi de grande valia, pois além de novos amigos, também iremos fazer grandes parcerias profissionais. Também não posso deixar de dizer que foi um excelente passeio em si. Conhecemos novos lugares, novas cidades e novas pessoas. Com certeza estaremos presente na quarta edição do evento e também quem sabe em outros eventos que a Borland oferecerá a comunidade!