quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Conversa de Botas Batidas

[MODO VIAGEM]/ON

Nesse final-de-semana passado parei para tomar umas geladas com um grupo de amigos e o disco Ventura do Los Hermanos começou a tocar no Media Player. Bom, comenta dali que o disco é um clássico, canta junto aqui e então a música Conversa de Botas Batidas entra muito alto! Um dos amigos comentou acerca da letra dessa música e das várias histórias que contavam sobre ela. Chegando em casa fui curioso pesquisar sobre o assunto e descobrir que, de fato, a história/estória (não sei se com H ou com E) foi, digamos assim, baseado em fatos reais. Bom, primeiro a letra da música na sua íntegra:

CONVERSA DE BOTAS BATIDAS
(Marcelo Camelo)

Veja você, onde é que o barco foi desaguar
A gente só queria um amor
Deus parece às vezes se esquecer
Ai, não fala isso, por favor
Esse é só o começo do fim da nossa vida
Deixa chegar o sonho, prepara uma avenida
Que a gente vai passar
Veja você, quando é que tudo foi desabar
A gente corre pra se esconder
E se amar, se amar até o fim
Sem saber que o fim já vai chegar
Deixa o moço bater
Que eu cansei da nossa fuga
Já não vejo motivos
Pra um amor de tantas rugas
Não ter o seu lugar
Abre a janela agora
Deixa que o sol te veja
É só lembrar que o amor é tão maior
Que estamos sós no céu
Abre as cortinas pra mim
Que eu não me escondo de ninguém
O amor já desvendou nosso lugar
E agora está de bem
Deixa o moço bater
Que eu cansei da nossa fuga
Já não vejo motivos
Pra um amor de tantas rugas
Não ter o seu lugar
Diz, quem é maior que o amor?
Me abraça forte agora, que é chegada a nossa hora
Vem, vamos além
Vão dizer, que a vida é passageira
Sem notar que a nossa estrela vai cair

Agora vamos a algumas análises: como você percebeu, a música narra o diálogo entre um casal de velhos amantes - o trecho “Pra um amor de tantas rugas” deixa isso bem claro. Parece que estão meio que esperando a morte(?). O trecho “Esse é só o começo do fim da nossa vida” faz uma alusão a isso ou então, como diz um ditado popular, à partir daqui é o primeiro dia do resto de nossas vidas. Não vou ficar interpretando frase por frase, vou direto ao âmago. Segundo parece, esse casal mantinham um caso extra-conjugal a muito tempo e se encontravam sempre no mesmo hotel e eles estavam meio que decididos a se mostrarem. Eles já estavam cansados de “mentir” e ocultar o caso para as famílias e estavam pensando em se assumirem. O trecho “Que eu cansei da nossa fuga, Já não vejo motivos, Pra um amor de tantas rugas, Não ter o seu lugar” é alusiva a esta situação de revelação. Também a parte “Abre as cortinas pra mim, Que eu não me escondo de ninguém” também fortalece esta ideia.

Pois é, agora vem a parte mais louca de tudo isso. Acredite ou não, mas a história acima aconteceu mesmo. Acha que é pouco provável? Então clique aqui e veja a matéria da época no site do Estadão. A parte em que o porteiro diz: “Interfonei e cheguei a bater na porta do quarto, mas não responderam” foi assim incrível. Segundo o mesmo, o combinado com ele era esse, ou seja, “qualquer problema você bate na porta e nos avisa”. E havia um problema acontecendo: o prédio estava ruindo. O porteiro bateu para avisar, mas na viagem dos dois no quarto e com o foda-se ligado, pensaram: “Deixa o moço bater! Vamos nos revelar para quem quer que seja!”. Na época, o casal ficou conhecido como “os amantes” pela impressa!

E o final de tudo todo mundo sabe! “Me abraça forte agora, que é chegada a nossa hora”…


O nome do prédio era Linda Rosário e ficava no Rio de Janeiro! A letra da música de Marcelo Camelo seria uma conjectura poética do diálogo dos dois antes de partir dessa para uma melhor. Eu  viajei muito nisso tudo, pois algo meio catastrófico ficou assim, poético e bonito. Bonito no sentido da história como um todo. E a música também não sai da minha cabeça, desde sábado passado!

A gente corre pra se esconder
E se amar, se amar até o fim
Sem saber que o fim já vai chegar


Bom, se isso é verdade ou não eu não sei. Só transcrevi o que achei navegando por aí, mas que é uma história louca, ah isso é.

[MODO VIAGEM]/OFF

Nenhum comentário: