sexta-feira, 13 de maio de 2011

Emoções

Ultimamente, como diz a letra da música “Flor da Pele” de Zeca Baleiro, até beijo de novela está me fazendo chorar. Não, não é nada, assim, triste ou deprimento e sim emoções mesmo. Qualquer história (ou estória) que assisto e que desencane para um final legal (ou até ruím) eu estou curtindo e viajando. Acredito que isso seja pelos dias tranquilos de paz e de encontros que tenho passado na minha pequena intimidade. E o que me fez acordar um pouco para isso é uma série que começei a acompanhar e até comprei as primeiras temporadas. A série é Ghost Whisperer, e conta a estória da médium Melinda Gordon. Ela tem um dom de ver e ouvir fantasmas espíritos desencarnados que se encontram em outro plano. E então, sutilmente, ela tenta ajudá-los a resolver pendências que ficaram em vida para que eles possam finalmente descansar em paz ou “ir para luz”! O que eu passei a perceber assistindo a essa série é que, na maioria das vezes, deixamos muitas coisas pendentes em nossas vidas e também muitos casos mal-resolvidos. Deixamos de resolver problemas em relacionamentos com nossos pais, irmãos, amigos, colegas de trabalhos e também parceiros. E geralmente estes problemas envolvem, quase sempre, coisas do coração. São mágoas que ficam amarradas ou desentendimentos que muitas vezes não acertamos. Simplesmente deixamos de lado e optamos por esquecer! E então, subitamente essas pessoas que nos cercam são tiradas do nosso convívio, de uma forma ou de outra. E então o que era algo que poderia ser resolvido com uma simples conversa ou com um simples sorisso pode se tornar algo com proporções que sequer imaginamos. Não vou entrar em detalhes da doutrina ao qual eu acredito aqui, mas uma coisa você pode ter certeza: nada fica sem solução e sem resolução! Nada! De uma forma ou de outra, essas pendências serão resolvidas, quer seja de uma forma boa ou não. Na série, ao final de cada episódio os protagonistas conseguem se entender e resolver as divergências entre eles e não há um só que eu não me emocione como a forma que tudo termina. Teve um episódio de uma criança então que me tirou várias lágrimas. Sim, não tenho vergonha alguma de revelar isso, mas me emocionou tanto a conversa que ela teve com a mãe no final. A criança havia morrido em um acidente e a mãe ainda viva sofria muito, mas muito mesmo por acreditar que ela teve culpa no acidente. A história é muito triste e imagino que no final não há quem não fique emocionado com as palavras sinceras da criança. Tá, esse não é o tipo de pendência que eu me referi acima. Portanto, tente não deixar nada por fazer por aqui ou mesmo por resolver. Eu sei, é difícil… É muito difícil… Mas acredite: se você não resolver agora que é difícil, ficará muito, mas muito mais difícil à frente!

Um comentário:

Anônimo disse...

Compreender o incompreendido, fazer as coisas faceis se tornarem dificeis da vida/morte. A gente tem mania de complicar o que eh facil e complicar ainda mais o que jah e dificil. Perdoar e se perdoar, nessa vida/morte. Carregar culpa de outros jogada em nossas costas. Como diria Almir Sater e Renato Teixeira

"Ando devagar
Porque já tive pressa
E levo esse sorriso
Porque já chorei demais

Hoje me sinto mais forte,
Mais feliz, quem sabe
Só levo a certeza
De que muito pouco sei,
Ou nada sei"